Estado vai investigar situação social e econômica de autistas no Marajó

Iniciativa inédita  quer identificar necessidades e potencializar oportunidades para melhoria da qualidade de vida 

16/05/2022 16h34 - Atualizada em 16/05/2022 16h42

No Marajó, governador e autoridades no lançamento do Programa de Desenvolvimento às Pessoas com TEAO governador Helder Barbalho lançou, na tarde desta segunda-feira (16), o Programa de Desenvolvimento às Pessoas com Transtorno do Espectro Autista (PD-TEA) em Soure, no Marajó. A medida tem como objetivo identificar a situação social e econômica de autistas que moram no arquipélago paraense e, em seguida, desenvolver políticas públicas específicas para implementação de políticas públicas no campo da saúde, educação e assistência social.
 
O evento foi acompanhado por técnicos, estudiosos e especialista em Pessoas com Transtorno do Espectro Autista, além de lideranças municipais, membros da sociedade civil organizada e moradores da região. O governador Helder Barbalho destacou a importância do Programa.

“Essa é uma causa extraordinária da inclusão na política do espectro autista no Estado do Pará. Hoje somos referência para o Brasil. Hoje assinamos essa pesquisa junto à Fundação Amazônia de Amparo a Estudos e Pesquisas. Também entregando carteiras de identificação e, com isso, fazendo uma profunda política de inclusão”, destacou o chefe do Poder Executivo Estadual.

“É um trabalho que está sendo feito por todo Pará. Seja com autistas ou com portadores de necessidade. Essa política de inclusão é um orgulho para nosso governo. Ter  essa sensibilidade de cuidar daqueles que mais precisam”, completou o governador Helder Barbalho.

Coord. de Políticas para o Autismo, Nayara Barbalho: "É um projeto de pesquisa científica inédito no Brasil". Além da instituição de fomento à ciência e inovação, Fundação Amazônia de Amparo a Estudos e Pesquisas (Fapespa), a iniciativa conta com o apoio e execução técnica pela Fundação de Ciência, Tecnologia, Inovação e Desenvolvimento Sustentável Guamá – Fundação Guamá. 

“Essa é a primeira etapa de um importante projeto em parceria da Sespa (Secretaria de Estado de Saúde Pública) com a Fapespa que vai mapear a questão do autismo nos 17 municípios do Marajó. Vamos criar uma base de dados na intersetorialidade entre saúde e educação. Esse é um projeto de pesquisa científica inédito no Brasil”, explicou à coordenadora estadual de Políticas para o Autismo, Nayara Barbalho. 

Pesquisa 

A pesquisa será realizada nos municípios do arquipélago do Marajó (Afuá, Anajás, Breves, Cachoeira do Arari, Chaves, Curralinho, Gurupá, Melgaço, Muaná, Ponta de Pedras, Portel, Salvaterra, Santa Cruz do Arari, São Sebastião da Boa Vista e Soure) e irá mobilizar profissionais qualificados para condução de um levantamento inédito sobre a situação social e econômica de pessoas com TEA nessa região. 

Primeira etapa 

Na primeira etapa do projeto, serão realizadas pesquisas em dezesseis municípios do Arquipélago do Marajó, atendendo a uma demanda social da região e que possibilitem o desenvolvimento de instrumentos técnicos para unificação das informações a serem coletadas, considerando que inexistem orientações específicas sobre o tema em âmbito federal, tanto nas áreas da saúde, quanto na educação.

Desenvolvimento de políticas públicas 

Posteriormente, está prevista a implementação de políticas públicas no campo da saúde,  educação e assistência social a partir da pesquisa realizada e com o objetivo de gerar boas práticas que  sejam modelo de tecnologia social para todo o estado. 

As informações geradas devem compor documentos impressos, digitais e uma série de produções científicas voltadas à publicação dos dados, que servirão de suporte para tomada de decisões no que se refere à elaboração e aplicação de políticas públicas referentes à garantia de direitos sociais mais  eficazes para o público em questão. 

Além disso, como resultado de ação conjunta entre os pesquisadores, pretende-se gerar materiais orientadores, com abordagens qualitativas e quantitativas, para o melhor atendimento do público alvo desse trabalho, com propostas de ensino, aprendizagem, e avaliação socioeducacional.
 
Entrega de identificação - Ainda durante o evento, foram entregues quatro Carteiras de Identificação da Pessoa com Transtorno do Espectro Autismo (CIPTEA) na cidade de Soure. O documento é fornecido pela Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sespa). Em menos de um ano de implantação, já foram emitidas quase 5 mil carteiras, após o cadastramento do usuário. É preciso informar, por exemplo, faixa etária, meio de transporte utilizado, renda familiar, serviços utilizados e município onde reside.
 
Soure é um município brasileiro localizado na zona fisiográfica da Ilha de Marajó, no estado do Pará, na Região norte do Brasil. Sua população estimada em 2021 era de 25.752 habitantes, segundo o IBGE. Foi fundada em 20 de janeiro de 1847 por Francisco Xavier de Mendonça Furtado e está localizada a 80 km da capital paraense, Belém.
 
A Ilha de Marajó (inicialmente chamada de Marinatambal) é uma ilha costeira do tipo fluviomarítima situada na Área de Proteção Ambiental do arquipélago do Marajó, no estado do Pará, na região norte do Brasil. Considerada a maior ilha fluviomarítima do planeta.

Por Leonardo Nunes (SECOM)