Hospital Ophir Loyola passará a liberar laudos em até 24h

Novo recurso tecnológico permite o acesso aos exames de forma padronizada, remota e com transferência automatizada e segura de dados de pacientes

19/01/2022 13h51 - Atualizada em 19/01/2022 14h08

Técnico acompanha realização de exame de tomografiaUm dos grandes avanços do Hospital Ophir Loyola (HOL) em 2022 é a contratação de uma empresa de telerradiologia com um Sistema de Comunicação e Arquivamento de Imagens (Pacs) integrado para garantir agilidade na liberação de laudos dos exames por imagem. O hospital presta serviços de saúde em nefrologia, neurologia e transplantes, de média e alta complexidade, sendo também o Centro de Alta Complexidade em Oncologia (Cacon) do estado do Pará. 

Em 2021, o HOL realizou 28.340 exames de imagem. E para agilizar o diagnóstico de pacientes oncológicos submetidos aos exames de mamografias, ressonâncias magnéticas e tomografias em atendimento ambulatorial e de urgência e emergência, a gestão contratou uma empresa terceirizada que a partir de um sistema de liberação de laudos, ágil e eficaz, envia com segurança a imagem gerada junto com o histórico clínico dos pacientes diretamente para um servidor em nuvem.

Para a diretora-geral Ivete Vaz, que assumiu a gestão em dezembro do ano passado, melhorar o fluxo de atendimento é uma prioridade, visto que tomou ciência da situação de laudos atrasados desde outubro de 2020. “Estamos trabalhando para modernizar os processos de gestão, dando agilidade nos fluxos internos, principalmente no que diz respeito a esses exames que estavam com uma demanda reprimida agravada pela pandemia. O novo sistema vai agilizar a liberação dos laudos pelo médico radiologista e reduzir o tempo de espera pelo diagnóstico a fim de garantir mais eficiência e agilidade no atendimento dos nossos pacientes”, informa.

Médico avalia imagens de ressonância magnéticaO recurso tecnológico permite o acesso aos exames de forma padronizada, remota e com transferência automatizada e segura de dados. Neste primeiro momento serão resolvidos os laudos em atraso. “Para isso estamos fazendo melhorias na infraestrutura e nos processos com a disponibilidade de um servidor de internet solicitado pela terceirizada para colocar o software em funcionamento. Após solucionar os exames em atraso, devemos iniciar o processo de modernização dos laudos no próximo mês de fevereiro”, afirma Ivete Vaz.

A empresa fará a inserção dos dados dos pacientes no sistema PACS para que gere o parecer técnico em até 3 h na Unidade de Atendimento Imediato e em até 24h no ambulatório. Após o armazenamento das imagens em nuvens, até 20 especialistas conseguirão laudar os exames de qualquer lugar do planeta, simultaneamente.

“O sistema dispõe de formulários, frases prontas e reconhecimento de voz, em que o médico analisa as imagens em alta resolução, fala o parecer que sai digitalizado para ser liberado de forma precisa e instantânea. É um investimento para um melhor estadiamento do câncer que aumentará a produtividade e a eficiência da assistência no Ophir Loyola”, conclui a diretora-geral.

Por Leila Cruz (HOL)