Projeto "Parcerias pelo Pará" realiza agenda intensa por municípios do interior

Setor produtivo e poder público municipal das cidades receberam as ações do projeto durante as últimas semanas  

22/09/2021 11h51 - Atualizada em 22/09/2021 12h35

A presença do Governo do Estado nos municípios do interior paraense está cada vez mais efetiva. O Projeto "Parcerias pelo Pará" passou pelos municípios de Tucumã, Redenção, Pau D´arco e São Félix do Xingu, nas últimas semanas, e realizou visitas técnicas e atendimentos voltados para o setor produtivo dessas localidades.  

Para o sócio-administrador da Cervejaria Kayapó, Bernardo Nunez Brega, a passagem por Redenção demonstrou o apoio que o Governo está dando ao município. 

“É importantíssima essa visita para mostrar que o Sebrae, a Sedeme e a Codec estão apoiando esses novos investimentos. Ficamos muito agradecidos e a gente consegue ver que ainda tem um caminho longo a percorrer, mas que ele está sendo percorrido. Essa aproximação vai fazer surgir novas empresas e, as empresas que já existem ou estão em construção, como a nossa, vão crescer de forma mais rápida, gerando mais emprego”, afirma. 

 

Articulação 

Por onde o projeto passa há o estímulo à troca de informações entre os órgãos públicos e a iniciativa privada. Por essa razão, a Comitiva do Parcerias é composta por órgãos como a Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Mineração e Energia (Sedeme), Banpará, Sebrae, CredCidadão, Secretaria de Planejamento e Administração (Seplad), Secretaria de Assistência Social, Trabalho, Emprego e Renda (Seaster), Sedap, Junta Comercial do Estado do Pará (Jucepa), Famed, OCB e Codec.

"O intuito dessas viagens é levar o desenvolvimento através da parceria com as Prefeituras e as entidades locais, do setor produtivo. Por isso, nos eventos, a Sedeme e mais 10 parceiros falam sobre suas atividades e sobre o que têm a oferecer para o município", explica a coordenadora do Projeto, Luziane Sena. 

De acordo com o sócio-administrador da empresa Chef Mineiro, Adriano Ribeiro, o incentivo do Governo aos empreendimentos de cada cidade visitada é o fomento que o setor produtivo precisa. “O que a gente tem a dizer é que a nossa região é muito importante, muito produtiva e que pode triplicar a produtividade em pouco tempo. O incentivo do Estado não é à toa. É um negócio sério. E o incentivo do Estado é importante para que a gente possa produzir mais. Isso faz muito bem para nós daqui da região”. 

Na última agenda, além do Banpará, esteve presente, também, o Banco da Amazônia que apresentou suas linhas de crédito. Além disso, outros parceiros promoveram suas ações, como o Sebrae que realizou atendimentos para apoiar micro e pequenas empresas, a Jucepa, com a “Redesim”, que buscou simplificar o registro e legalização de novos empreendimentos, já a OCB esteve com uma ação muito ativa junto ao cooperativismo local desses municípios, entre outras ações. 

Segundo o diretor de Desenvolvimento da Indústria, Comércio e Serviço (DDICS) da Sedeme, Mauro Barbalho, os prefeitos e o setor produtivo desses municípios ficaram satisfeitos com a presença do Governo.

“Nesses encontros, o que mais se destacou foi o depoimento de empresários do setor produtivo em perceber a presença do Governo, dos órgãos de administração e das entidades parceiras que acompanham o projeto. Todos eles foram unânimes em ressaltar que é um Hoverno presente, que são órgãos do Estado que estão presentes e, portanto, eles têm uma expectativa muito grande em ser atendidos em suas demandas. Inclusive, aquele sentimento de não pertencimento, segundo depoimento de alguns, praticamente, não existe mais nos últimos dois anos. De uma forma geral, Prefeituras e legislativo municipal, que participam das ações, estão muito esperançosos e crentes de que essa parceria do Governo do Estado com as Prefeituras municipais”, revela. 

 

Histórico

O "Parcerias pelo Pará” foi lançado em 2019, e já passou pelas cidades de Marabá, Santarém, Parauapebas, Castanhal, entre outras de todo o estado, integrando órgãos públicos e iniciativa privada com o intuito de gerar mais emprego e renda a esses municípios.

Por Igor Fonseca (SEDEME)