Agricultor tem papel de destaque no fortalecimento da cadeia produtiva

Pará ocupa o topo da produção nacional de cacau, abacaxi e açaí. Outras culturas, como a da soja, estão surgindo como grandes potenciais para o agronegócio paraense

28/07/2021 09h14 - Atualizada em 28/07/2021 10h53

Nesta quarta-feira (28) é comemorado o dia do agricultor. A data celebra a importância desses trabalhadores para o crescimento econômico do país e para a sociedade. No Pará, a Agência de Defesa Agropecuária do Pará (Adepará) tem cadastrado 5.912 agricultores que desenvolvem atividades na área vegetal. O órgão tem a missão de planejar e executar ações que promovam a sanidade e a qualidade da produção agropecuária, contribuindo para o desenvolvimento sustentável e competitivo do agronegócio.  

A agricultura do Pará desempenha um papel muito importante na economia brasileira. O Pará está no topo da produção nacional de cacau, abacaxi e açaí, além de ocupar a oitava posição na produção de banana. Outras culturas, como a da soja, estão surgindo como grandes potenciais para o agronegócio paraense.

A produção de citros também está crescendo, com destaque para o município de Monte Alegre, no Baixo Amazonas, que é considerado o maior polo produtor de limão Thaiti do Pará.

Dados da Unidade de Certificação Fitossanitária de Origem (UCFO) da Adepará, apontam 6.613 propriedades cadastradas no Estado.

Para Jamir Macedo, diretor-geral da Adepará, o agricultor tem um papel fundamental para o desenvolvimento econômico, em todos os 144 municípios paraenses.

“É um profissional responsável pelo manejo dos mais diversos tipos de plantação, desde a semeadura até a colheita. E a Agência atua em todas as etapas da sua produção, executando ações que visam promover e manter a sanidade dos produtos oriundos dessa atividade, contribuindo para o aumento da produção, consequentemente maior geração de emprego e renda para o nosso Estado”, explicou.

Há 40 anos trabalhando com agricultura familiar, a agricultora Maria Leocádia Siqueira, moradora de Marituba, comunidade Boa Vista, na Grande Belém, tem como “carro-chefe” a produção de hortaliças, além de pequenos plantios de mandioca, açaí, pupunha e milho. Ela sempre trabalhou na roça e orgulha-se de ter criado os filhos a partir da comercialização dos produtos da agricultura.  

“Criei meus filhos trabalhando diretamente com a produção de hortaliças folhosas e frutíferas. Já fui beneficiada com um projeto de crédito viabilizado pela Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado do Pará (Emater), e isso contribuiu significativamente para o aumento da minha produção”. E completa: “eu tenho orgulho de ser agricultora, de fazer o que eu faço, acordar cedo, trabalhar, vender minhas hortaliças e contribuir para o crescimento do Pará”, contou.  

Atuação

A atuação da Adepará se dá na atenção ao controle de qualidade, bem como de inspeção, padronização e armazenamento de produtos e subprodutos de origem animal e vegetal, cumprindo com as legislações Estadual e Federal. As medidas executadas abrangem o pequeno, o médio e o grande produtor, em todo o território do Pará, sendo essenciais para que os produtos paraenses atendam ao mercado interno e possam competir em preço e qualidade no restante do país.

Estão entre as atribuições da instituição, estabelecer medidas de prevenção e monitoramento sobre as ocorrências zoofitossanitárias no Pará, exercer atividades de vigilância epidemiológica para o diagnóstico precoce de doenças e pragas, como também elaborar e propor normas legais para assegurar a sanidade animal e vegetal.

Cadastro 

De acordo com Raimundo Cunha, da UCFO, para realizar o cadastro junto à Adepará, o agricultor deve procurar um dos 144 escritórios do Estado.

“Em números gerais, chegamos a 8.420 Unidades Produtivas, e a Adepará trabalha em parceria com os agricultores para aumentar esse número e fortalecer o setor produtivo”, explicou. Os dados são do Sistema de Integração Agropecuária (Siapec).

Cacau

Mais da metade do cacau produzido no Brasil é paraense. Em 2020, a produção da fruta no Estado foi de 144.663 toneladas, o equivalente a 52% da produção nacional. A Adepará é responsável pelo planejamento e execução de atividades que promovam a sanidade e a qualidade da produção agrícola. Cerca de trinta mil produtores atuam com a cacauicultura no Estado, em 29 municípios. Medicilândia, Tucumã e Tomé-açu lideram o ranking de produção paraense.

Banana

Com 33.662 hectares de área plantada e uma produção de 381.248 toneladas ao ano, o Pará é o 8º produtor de banana no ranking nacional. 38,27% da produção paraense de banana é proveniente da Transamazônica. As principais variedades produzidas no Pará são: banana Prata (90% em Belém consome essa variedade), Mysore, Nanica, Comprida, Conquista, Branca (maçã) e a Inajá.

Abacaxi

De acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o Pará é o maior produtor de abacaxi do Brasil, com uma produção de 22.726 unidades por hectare. A fruta, cultivada em uma área de 18.779 hectares, tem sua produção acompanhada pelos técnicos Adepará, por meio do Programa Fitossanitário da Cultura do Abacaxi. 

Os municípios de Floresta do Araguaia, Conceição do Araguaia, na região sudeste, e Salvaterra, no arquipélago do Marajó, são os maiores produtores.

Comércio

A rastreabilidade do fruto garante o comércio de abacaxi paraense dentro e fora das fronteiras nacionais. Ou seja, sua cadeia produtiva está organizada e passível de acompanhamento desde o momento da produção até à comercialização do fruto, o que garante ao consumidor informações sobre a origem e as práticas de produção do produto consumido.

A ferramenta utilizada para fazer esse rastreio de frutas e vegetais frescos no Pará é o Guia de Trânsito Vegetal (GTV), documento que deve acompanhar as cargas de vegetais dentro do Estado. A Guia é emitida pela Adepará com base nas informações de cadastro de produtores. Ela identifica a origem, rota, quantidade do produto, finalidade e seu destino.

Por Rodrigo Reis (ADEPARÁ)