Emater cadastra famílias indígenas, em Jacareacanga, para acesso a fomento

Caso os cadastros tenham aprovação, as famílias vão receber recursos no valor de R$ 2.400,00, pagos em duas parcelas

31/03/2021 14h39 - Atualizada em 01/04/2021 16h50

Um total de 75 famílias de 11 aldeias indígenas do município de Jacareacanga, na região sudoeste estadual, foram selecionadas, a partir dos cadastros do Bolsa Família  e CadÚnico, e estão sendo cadastradas no Programa Fomento Rural, implementado em parceria pelo Governo do Estado, através da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Pará ( Emater) e do governo federal, por meio dos Ministérios da Cidadania e da Agricultura, Pecuária e Abastecimento.

Caso os cadastros tenham aprovação, as famílias vão receber recursos no valor de R$ 2.400,00, pagos em duas parcelas. "Esses cadastros foram inseridos no sistema pelos técnicos do escritório local de Jacareacanga e serão analisados e, após aprovação, será liberada a primeira parcela. Em seguida há um prazo para visita de acompanhamento. Após o ok do técnico com relação ao bom uso do recurso da primeira parcela, é liberada a segunda parcela”, explica a supervisora do escritório regional da Emater no Tapajós, Nazaré Dergan.

Os prazos de análise não ultrapassam 60 dias e, se aprovado o cadastro, a primeira parcela, no valor de R$ 1.400,00, é liberada. Depois de passados 30 dias da liberação da primeira parcela, ocorre a liberação da segunda, no valor de R$ 1.000,00.

Para o cadastro, técnicos do escritório local de Jacareacanga elaboraram um projeto produtivo para ser inserido no sistema e também ser submetido à análise. A aplicação dos recursos deve ser direcionada a ações que trarão benefícios coletivos às comunidades.

“Todas das famílias indígenas estão escolhendo fazer o investimento em grupos, para melhorar a estrutura de suas casas de farinha, com equipamentos como: forno, ralador catitu, caixa d’água, peneira, bomba para puxar água e na criação de frango caipirão, assim toda a comunidade será beneficiada. Estamos também buscando parceria junto à Funai e à prefeitura municipal, através da secretaria Indígena e  secretaria de Agricultura para juntos fortalecer o projeto", disse o chefe do escritório local da Emater em Jacareacanga, Delival Batista.

As famílias cadastradas residem nas aldeias boca das tropas, Aldeia Nova Tapajós, Aldeia Piquiá, Aldeia Buritituba, Aldeia Jacarezinho, Aldeia Kaba Iborebu, Aldeia Lago do Junco, Aldeia Muiuçuzão, Aldeia Muiuçuzinho, Aldeia Najau e Aldeia Kirixi Biaybu. 

Para o cacique Teodorico Akay, da Aldeia Piquiá, os recursos do fomento vão contribuir para o aperfeiçoamento da produção da Aldeia. “Esse projeto será uma grande ajuda para melhorar a casa de farinha da comunidade, e com isso vamos poder produzir com melhor qualidade”, afirmou.

Já a Aldeia Jacarezinho pretende fortalecer e diversificar a produção rural da comunidade, que também produz farinha, e sonha com a possibilidade de investir em outro segmento. “Queremos investir uma parte do recurso na casa de farinha e outra parte na compra de pintos caipirão para gerar mais uma alternativa de renda na comunidade, isso tudo será usado na coletividade dentro da aldeia”, afirma o cacique Osmarino Mundurucu, da Aldeia Jacarezinho.

O cadastro das famílias indígenas para o projeto de fomento tem o acompanhamento do escritório local da Emater em Jacareacanga e supervisão do escritório regional da empresa do Tapajós.

Por Etiene Andrade (EMATER)