Estado retorna atendimento presencial a quem recebe benefício por hanseníase

Contemplados pelo Bepah devem marcar o atendimento para evitar riscos de contágio pelo novo coronavírus

04/08/2020 19h44 - Atualizada em 04/08/2020 23h09
Por Rodrigo Souza (SEASTER)

A Secretaria de Estado de Assistência Social, Trabalho, Emprego e Renda (Seaster) retornou o atendimento presencial aos contemplados pelo Benefício Estadual para Pessoas Acometidas pela Hanseníase (Bepah). Para evitar transtornos, o órgão orienta ao público-alvo que marque o atendimento pelo telefone (91) 3239-1500, e garante que todos serão atendidos dentro das normas de proteção à Covid-19.

O retorno do atendimento presencial atende à demanda dos beneficiários do BepahMaria Orlandina Ramos, 68 anos, residente no município de Marituba, na Região Metropolitana de Belém, esteve na sede da Seaster na manhã desta terça-feira (4) para realizar a atualização cadastral. “Esse benefício é uma benção na minha vida; é uma renda que não me falta. Com ele, eu consigo pagar minhas dívidas, como água e luz, a minha alimentação e os meus remédios, pois nem todos eu consigo gratuitamente no SUS (Sistema Único de Saúde). Essa ajuda é muito bem-vinda”, contou.

Anualmente, os beneficiários precisam atualizar o cadastro para que o benefício não seja bloqueado. O maior número de atendimentos ao público que reside na Região Metropolitana de Belém é realizado nos primeiros quatro meses do ano. A partir do mês de maio a demanda diminui, mas os atendimentos continuam normalmente. Entretanto, uma parcela do público não pode atualizar o cadastro presencialmente na sede da Secretaria devido à dificuldade de locomoção.

Período atípico - “Nós estamos tentando prorrogar o prazo da atualização de cadastro para as pessoas que não podem vir até a Seaster até que haja determinação para que a equipe técnica volte a realizar as visitas domiciliares para esse público. Por enquanto, ainda não temos essa determinação, mas essas pessoas podem ficar tranquilas, pois elas não serão prejudicadas pelo bloqueio do benefício, pois entendemos que estamos passando por um período atípico”, explicou a gerente estadual do Bepah, Helena Gomes.

A Seaster está obedecendo a todos os critérios e medidas de segurança para proteger os usuários e a equipe técnica nesse momento de combate à proliferação do novo coronavírus. “Nós estamos tomando todos os cuidados para obedecer aos distanciamentos, assim como garantir a quantidade mínima de pessoas na sala. Nós também colocamos telas de proteção de acrílico nas mesas, realizamos espaçamento entre as cadeiras, reforçamos a quantidade de máscaras e do álcool em gel”, informou a gerente.

O benefício é uma conquista significativa para pessoas com hanseníase, garantido éla Lei Complementar 05/90, que regulamenta o Artigo 318 da Constituição do Estado do Pará. Há 30 anos, o governo estadual assegura esse benefício, que se constitui em importante ferramenta no combate à discriminação e exclusão.