Apoio psicológico garante gravidez segura para pacientes do HC

13/07/2020 14h32 - Atualizada em 13/07/2020 15h01
Por Melina Marcelino (HC)

A gestação é um marco na vida de uma mulher, pois muda toda a sua estrutura de vida. Nesse período, as mulheres também estão suscetíveis a vários tipos de sentimentos, em decorrência das mudanças hormonais, comportamentais, físicas e mentais a que são submetidas para gerar uma nova vida. No caso das gestantes cardiopatas, o estado emocional é grande fator de atenção, principalmente, porque as doenças de fundo cardiológico estão entre as principais causas de morbilidade materna na gestação. É durante esse período que as gestantes cardiopatas tendem a apresentar medo, ansiedade e depressão. Por isso, é importante que elas tenham um acompanhamento com um psicólogo ao longo da gravidez para minimizar as intercorrências psicológicas.

Na Clínica Obstétrica da Fundação Hospital de Clínicas Gaspar Vianna (FHCGV) as gestantes cardiopatas, com problemas renais e psiquiátricos, recebem um atendimento psicológico humanizado. O objetivo é acolher, amparar e cuidar dessas gestantes durante a sua gravidez até o nascimento do bebê. 

“O acompanhamento psicológico das gestantes visa proporcionar alívio emocional e assim amenizar a ansiedade e a angústia por meio do acolhimento e da escuta atenta, bem como por meio de uma avaliação psicológica para identificar possíveis situações de desorganização emocional”, explica a psicóloga Ivone Soares.

Durante o tempo de internação dessas gestantes é oferecido acolhimento e, também, ofertado espaço onde elas possam expressar suas emoções, expectativas e estado psíquico. “Esse processo terapêutico favorece a construção de uma relação de confiança”, enfatiza a psicóloga.

A professora Antônia Fonseca, de São Miguel do Guamá, sofreu um grave problema ao longo de sua gestação, o que provocou o óbito fetal. Para ela, o atendimento psicológico foi de grande importância no enfrentamento dessa situação delicada e dolorosa. “Você descobrir que carrega um bebê morto dentro de você e ainda ter que realizar um parto para a sua retirada, é realmente muito doloroso. A psicóloga foi muito importante para eu passar por essa situação, ela tentou de todas as maneiras me acalmar, ouvir e conversou bastante comigo me dando todo o apoio que eu precisava. Ela me ajudou a controlar a ansiedade, preocupação e medo. Ela realmente contribuiu muito para a minha melhora”, declara Antônia.

Antônia FonsecaO atendimento psicológico à gestante hospitalizada, além de ter a finalidade de favorecer a expressão das emoções do paciente, também prioriza ações conjuntas com a equipe multidisciplinar, complementando o trabalho, sendo um atendimento global e interdisciplinar às mulheres. 

As principais atividades desenvolvidas na Clínica Obstétrica são o acompanhamento psicológico durante o trabalho de parto, acompanhamento psicológico em caso de cardiopatia ou má formação fetal, acompanhamento psicológico à gestante cardiopata, com problemas psiquiátricos e nefropatas e o atendimento psicológico em caso de  óbito fetal.

Outro caso de acompanhamento psicológico, foi a de uma paciente de 23 anos, grávida de nove semanas. Ela deu entrada no HC com sintomas de vômitos incontroláveis, depressão e sensibilidade nas pernas. No seu primeiro atendimento psicológico, a psicóloga Ivone Soares disse que a paciente se encontrava bastante depressiva, com insônia e dificuldade de se alimentar. “Ela tinha uma repulsa em relação a sua gestação, isso se deu por algo relacionado ao seu passado”, esclarece a psicóloga

Durante o atendimento psicológico da paciente foi descoberto que a sua primeira gestação foi decorrente de violência sexual, e isso causou um descontrole emocional em relação a sua atual gestação. “Ela passou a reviver todos os sentimentos do passado e não ter mais nenhuma perspectiva de vida, e isso fez com que ela tentasse se suicidar três vezes”, explica a psicóloga.

Na primeira sessão de terapia, a psicóloga realizou o acolhimento e estabeleceu um vínculo com a paciente. “Trabalhei com ela os seus sentimentos e a ajudei a compreender e identificar seus sentimentos por meio de desenhos”. A psicóloga ainda destaca os resultados positivos na realização desse atendimento. “Na última sessão, percebi uma mudança. Ela começou a se alimentar corretamente e passou a se libertar dos sentimentos do passado. Ela realmente saiu muito diferente de como ela se encontrava quando deu entrada no hospital”, conclui a psicóloga.

Metodologia - O histórico de adoecimento das pacientes é fundamental para garantir um atendimento interdisciplinar. A atuação da psicologia na Clínica Obstetrícia visa um levantamento das reações frente ao adoecimento/hospitalização, mecanismos de defesa, estratégia de enfrentamento, ansiedade, medo e temores.

No Centro e Clínica Obstétrica da FHCGV, o atendimento às gestantes é feito dentro do perfil de referência do hospital, no caso, cardiopatia, psiquiatria e nefrologia. Elas também são atendidas no pré-natal de alto risco.