Estado vai investir mais de R$ 75 milhões na recuperação da PA-150

21/10/2019 21h53 - Atualizada em 22/10/2019 10h37
Por Jackie Carrera (SECOM)

Assinatura da ordem de serviço para recuperação da PA-150O compromisso do Governo do Pará com a recuperação da malha viária do Estado, fundamental para o desenvolvimento econômico e a acessibilidade da população, foi fortalecido pelo governador Helder Barbalho nesta segunda-feira (21), no distrito de Morada Nova, em Marabá, sudeste paraense, ao assinar o repasse de R$ 75.356.556,77 para a reconstrução da Rodovia PA-150.

A assinatura da Ordem de Serviço ocorreu às margens da rodovia, na presença de várias autoridades, como o vice-governador Lúcio Vale, e lideranças locais. O governador aproveitou a solenidade para ressaltar a importância estratégica da PA-150 para todo o Estado, como via que interliga a Região Metropolitana de Belém a outras regiões, e ainda como corredor de escoamento da produção e riqueza econômica. Ele também citou o alto custo para manter a estrada em boas condições (se referindo ao intenso fluxo de veículos pesados) e as ações prioritárias que o governo vem fazendo para melhorar a malha viária.

"Eu me orgulho porque esse investimento, aqui na PA-150, é totalmente com recursos próprios do Estado. Mas também esclareço que iremos fazer muito mais. O governo fez um empréstimo junto à Assembleia Legislativa, e parte desse recurso será para as estradas. Nós também já autorizamos mais de R$ 40 milhões para a Transcarajás, que deve interligar Parauapebas, Canaã (dos Carajás), Curionópolis e Xinguara, chegando à BR-155, e de lá até o pontão do Araguaia", informou o governador.

Helder Barbalho enfatizou a importância da rodovia para a economia do centro-sul do ParáPavimento e sinalização - O projeto da PA-150 inclui serviços de limpeza das pistas e acostamentos, reconstrução da pavimentação e tratamento do sistema de drenagem. A rodovia receberá, ainda, nova sinalização com aplicação de tachas refletivas.

Segundo dados da Secretaria de Estado de Transportes (Setran), quase metade de toda a PA-150 será recuperada e conservada. A obra abrange um subtrecho crítico, que vai de Goianésia do Pará (entroncamento da PA-263) até Morada Nova (entroncamento da BR-222), atravessando ainda os municípios de Jacundá e Nova Ipixuna.

Beneficiando pelo menos quatro municípios que ficam ao longo da PA-150, a reconstrução de um importante trecho da rodovia terá impactos positivos na rotina de 389.116 habitantes da região, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Ver essa foto no Instagram

#OParáEstáDeVoltaAoTrabalho #BoraTrabalhar

Uma publicação compartilhada por Helder Barbalho (@helderbarbalho) em

Papel estratégico - Além de interligar vários municípios, a rodovia assume um papel estratégico para o crescimento do agronegócio no Estado. A PA-150 foi construída há mais de 25 anos, no Governo Jader Barbalho, com o propósito de viabilizar o escoamento de produtos entre as regiões sul, sudeste e nordeste paraense.

O projeto de reconstrução vai da pavimentação à sinalização da rodoviaA rodovia é um dos principais corredores de escoamento da produção mineral e agropastoril. É por ela que a soja e a produção pecuária são levadas para o porto de Vila do Conde, em Barcarena, de onde seguem para o mercado internacional.

Quem trafega com frequência pela rodovia conhece bem o histórico de desgaste. O caminhoneiro Francisco Vieira, 40 anos de profissão, passou quase metade dessa trajetória profissional percorrendo a PA-150, entre Marabá e Barcarena. Recentemente, seu caminhão tombou no trecho por causa dos buracos, e ele perdeu a carga de minério que transportava. "Esse é o trecho mais ruim. Por conta de acidentes, a gente fica meses parado, e é um prejuízo. Tudo o que vem de benfeitoria do governo pra nós é importante. Bom demais que isso esteja acontecendo", afirmou Francisco Vieira.

Os caminhoneiros estão ansiosos pela reconstrução da rodoviaOutro caminhoneiro que aguarda há muito tempo melhorias na rodovia é Joel Teixeira, que faz fretes na região. "O escoamento de boi é bastante aqui. Carga sendo carregada de Belém a Marabá, Canaã, Eldorado (do Carajás) e Parauapebas. Eu acho que com esse recurso vai melhorar muito a rodagem para nós, caminhoneiros, e pra motoristas de ônibus também", ressaltou Joel Teixeira.

Iniciativa privada - A manutenção da rodovia tem consumido muito recurso público. Em cada quilômetro de recomposição do asfalto são gastos cerca de R$ 1,2 milhão. A Setran está analisando documentos, relatórios, fazendo um estudo de viabilidade técnica para buscar a parceria da iniciativa privada para administrar a rodovia.

Segundo o secretário de Estado de Transportes, Pádua Andrade, já foi contratada uma empresa especializada em concessões de estradas. "O processo é demorado até chegar à licitação. Mas vamos escolher a modalidade mais viável, e a ideia é cobrar pedágio e dar um conforto melhor para quem trafega por aqui", informou o secretário.

Sobre uma futura parceria público-privada (PPP), Helder Barbalho disse que é preciso um esforço conjunto de diversas ações do Estado para manter a PA-150 sempre em boas condições de trafegabilidade. "Não dá pra investir R$ 75 milhões em reconstrução da pista e, no ano seguinte, tudo ser destruído pelo trânsito de veículos pesados com toneladas de minério. Nós entendemos que esse traslado faz parte da vocação produtiva do Estado. Mas não é mais possível continuar da maneira que está. Nós já colocamos a primeira balança na altura de Tailândia. Vamos colocar aqui em Morada Nova também, e ainda estamos estudando a viabilidade de colocar outra, para evitar que o volume de carga ultrapasse a capacidade ideal", reiterou o governador.

O Pará tem 130 rodovias estaduais, totalizando 7.500 quilômetros de estradas. A Setran atua hoje com quase 90 frentes de trabalho nas rodovias e pontes, com três principais serviços: construção, reconstrução e conservação das vias. O Pará tem 711 pontes, das quais 130 estão passando por algum tipo de manutenção.

Estrada do Rio Preto - Atendendo a um anseio de várias comunidades da zona rural de Marabá, Helder Barbalho assinou um contrato de projeto para melhoria da estrada do Rio Preto, uma vicinal importante para a população local.

Como a estrada é responsabilidade do município, o Estado não pode executar obras na vicinal sem a parceria da Prefeitura. Por isso, após a conclusão do projeto, o governo pretende dialogar com a gestão municipal para viabilizar os serviços de recuperação da via.

Enquanto isso, um projeto tramita na Câmara Federal, em Brasília (DF), para que a estrada do Rio Preto seja federalizada e passe a integrar a Rodovia BR-222.