Sespa e Sectet participam de ação do TerPaz no bairro do Benguí

14/09/2019 17h26 - Atualizada em 14/09/2019 21h08
Por Roberta Vilanova (SESPA)

A Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sespa) participou, na manhã deste sábado (14), do início do Programa Territórios pela Paz (Ter Paz) no bairro do Benguí, em Belém. Os serviços foram oferecidos na Escola Estadual de Ensino Fundamental Marilda Nunes.

Além de aferição de pressão arterial, exame de glicemia capilar, testes rápidos de HIV, Hepatite B e C e Sífilis, avaliação nutricional e atividades educativas na área de Saúde Bucal, o órgão disponibilizou uma unidade móvel com três médicos para consultas em Pediatria, Ginecologia e Clínica Médica.

A costureira Francisca Rodrigues Lopes, de 70 anos, ficou feliz por conseguir uma consulta em Clínica Médica. “Eu estou com consulta marcada desde o final de agosto para 16 de outubro com clínico. Adoeci, então Deus mandou agora essa consulta. Quem dera que tivesse ao menos duas vezes por ano uma ação dessas”, comemorou.

Kátia Nascimento, de 29 anos, que está sem emprego, ficou satisfeita em poder se consultar com um ginecologista. “Estou há três semanas tentando pegar ficha no posto de saúde e não consigo. Me falaram aqui desta ação, eu vim e foi bom”, disse.

O mototaxista Raimundo Benjamim fez avaliação nutricional, tirou seu cartão do SUS e diz que aproveitou todos os serviços possíveis. “O TerPaz é uma ótima oportunidade para ter acesso a serviços que não temos facilidade de ter no dia a dia. Estou achando muito bom”, afirmou.

Parceria – Na área de Saúde Bucal, a novidade foi a parceria com o Curso de Odontologia da Escola Superior da Amazônia (Esamaz), que viabilizou participação dos alunos da graduação na realização das atividades educativas. Com o uso de um modelo de arcada dentária, as crianças aprenderam sobre a forma correta de escovar os dentes, a usar o fio dental e que devem fazer  isso todos os dias, principalmente, após as refeições.

Depois da palestra, as crianças receberam um kit de higiene bucal e foram para o escovódromo aprender na prática, com orientação dos futuros dentistas, como escovar os dentes corretamente. Para a acadêmica de Odontologia, Beatriz Alves, de 21 anos, “participar da ação é uma forma de repassar todo o nosso aprendizado e demonstrar mais humanidade e compaixão ao próximo”.

A cirurgiã-dentista e representante da Sespa na Câmara Técnica do Ter Paz, Alessandra Amaral, fez um balanço positivo de todo o trabalho que vem sendo realizado nos bairros desde a primeira atividade, no bairro da Cabanagem. “Nós já tivemos mais de 12 mil atendimentos entre consultas médicas, exames, orientações de saúde bucal entre outros procedimentos”, disse.

Alessandra ressaltou, no entanto, que para realizar tudo isso é fundamental a disposição dos técnicos de todas as áreas da Sespa, em especial do 1º Centro Regional de Saúde, e participação de instituições parceiras como a Esamaz, inserindo alunos de Odontologia nesse trabalho importante para melhorar a saúde da população e contribuir para a redução da violência no Pará. “Temos 12 universidades. Precisamos conversar e articular para nunca faltar esse atendimento nos bairros”, afirmou.

Outra parceria importante, segundo a cirurgiã-dentista, é com o Centro Universitário do Pará (Cesupa), que além de disponibilizar equipes de residentes de cirurgiões bucomaxilofaciais para fazer o atendimento odontológico, garante suporte em casos suspeitos de câncer bucal, incluindo biópsia para confirmação e encaminhamento para o Hospital Ophir Loyola (HOL), onde atuam os docentes dos dentistas residentes.

Formação continuada – Com a ponta dos dedos, moradores do Benguí conferiam se haviam sido selecionados para fazer o curso de “Design de sobrancelhas / embelezamento de cílios”, um dos serviços oferecidos pela Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Educação Profissional e Tecnológica (Sectet) dentro das ações do projeto TerPaz no bairro.

Jacqueline Maués da Silva confirmou o nome dela na lista fixada próximo da sala onde as aulas vão ocorrer, a partir de terça-feira (17). A qualificação será ministrada pelo Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial (Senac), contratado pela Sectet. A gerente da Coordenadoria de Formação Inicial e Continuada (CFIC) do órgão, Karoline Cordeiro, explicou que as aulas serão realizadas de 13h30 às 17h30, durante duas semanas.

“Não faltem às aulas, porque o curso é de curta duração e faltas podem impedir que vocês obtenham o certificado. Não percam essa oportunidade e aproveitem o máximo que o curso vai oferecer”, incentivou a gerente. Rubens Sanches, também da CFIC, informou que as pessoas que se inscreveram e não foram selecionadas ficam numa lista de espera, caso haja desistência. “São 40 horas de aulas entre teoria e muita prática para todas saírem podendo trabalhar em salões de beleza ou montar seu próprio negócio”, enfatizou Rubens.

Lugar de paz – A Sectet chegou ao Benguí também com dois projetos: “Meu Endereço: lugar de paz e segurança social” e o “Curso de Formação Inicial e Continuada para Jovens e Adultos”. Myrian Cardoso, coordenadora do Meu Endereço, desenvolvido em parceria com a Universidade Federal do Pará (UFPA), explicou que os conflitos são relacionados à construção de casas, tamanho de lotes, demarcação de limites, entre outros.

“Nós discutimos essas questões com as famílias, prestamos a assistência técnica e tecnológica na definição exata do endereço e orientamos em quais órgãos podem seguir com o processo de regularização fundiária”, esclareceu Myrian. O projeto levou à escola do Benguí a banda AC3 – Arte, Consciência, Cultura e Cidadania, da Terra Firme, que deu o tom musical da programação do TerPaz realizada durante toda a manhã.

“O TerPaz se instala hoje no Benguí, de onde só iremos sair no dia 31 de dezembro de 2022. São ações sociais, de saúde, segurança pública, cultura, esporte, enfim, políticas públicas integradas que visam devolver a boa convivência e o ambiente de paz à população”, disse Juliana Barroso, coordenadora da rede de cidadania do programa da gestão estadual.

Juliana convidou todos para conhecer os projetos e participar das ações na Escola Estadual Marilda Nunes. “Convido especialmente para conhecerem o projeto Meu Endereço, que visa a redução de conflitos, ameaças e intimidações entre vizinhos, dando o primeiro passo para a regularização fundiária”, explicou a coordenadora.

*Colaborou Jeniffer Galvão (Sectet)