Agenda da aprendizagem: Encontro define prioridades para as escolas de Belém

19/06/2019 23h38 - Atualizada em 20/06/2019 12h52
Por Leidemar Oliveira (SEDUC)

Mais de 200 educadores, entre eles gestores, diretores e técnicos de escolas das USES de Belém participaram na terça-feira (18) e quarta-feira (19), na capital paraense, da 4ª edição do I Encontro de Educação do Pará que tem como tema "Os desafios da educação pública paraense e a garantia do direito de aprender". Para a maioria dos participantes o combate à evasão escolar, a infrequência dos alunos e a garantia da aprendizagem na idade certa estão entre os principais desafios a serem superados.

O Encontro está sendo promovido pela Seduc e já aconteceu em outras regiões do Estado, como nos municípios de Marabá, Santarém e Bragança. Após a roda de conversa de Belém e dos municípios próximos à capital, o Encontro prossegue para as cidades de Breves e Altamira.

Durante o evento, a secretária de estado de educação, professora Leila Freire, destacou a necessidade de envolver a família no ambiente escolar. Disse ainda, que todos os educadores precisam, enquanto liderança escolar, refletir diariamente sobre o papel de cada um no método de ensinar. "Precisamos fazer releituras sobre nossos métodos, pois a concepção de ensinar evolui e nós também precisamos nos reavaliar", sugeriu.

A secretária destacou a educação humanizada nas escolas como referência da prática escolar, uma forma de integrar conteúdos, melhorar relações educacionais para então reverter os baixos indicadores educacionais do Estado. "Precisamos analisar a fundo esses indicadores e traçar estratégias de cada USE na construção de uma agenda da aprendizagem", comentou. A agenda, segundo ela, requer necessariamente a garantia do direito de aprender com eficiência, eficácia e equidade.

Os participantes de cada USE discutiram, em grupo, os desafios a serem superados nas escolas e as prioridades a serem enfrentadas nos próximos anos. Para eles, o Encontro abre novos horizontes para a educação e estimula a pensar uma nova forma de fazer educação no ambiente de trabalho. "Para mim é um momento de se envolver e pensar em novas ideias, ver a realidade de outras escolas e repensar o meu papel na comunidade escolar", disse Emerson Soares, técnico da USE 4.

Para a gestora da USE 10, Nádia Pinheiro, os dados apresentados no Encontro ajudam a entender as dificuldades a serem enfrentadas. "Temos que enumerar metas, eleger prioridades e construir essa agenda a partir da reconstrução das bases para reverter os índices negativos", considerou.