Governo do Estado irá construir nova ponte com sistema de cabos-estais no distrito de Outeiro

A solução em engenharia vai aumentar os vãos de navegação, que hoje são de 60 metros, para 100 metros de largura

23/01/2022 19h28 - Atualizada em 24/01/2022 08h46

O Governo do Estado irá construir a nova ponte do distrito de Outeiro, que terá 360 metros com uma solução de engenharia que utilizará o sistema de cabos- estais, praticamente dobrando a largura do vão de navegação, que atualmente tem 60 metros, para 100 metros e impedirá que ocorram novos choques de embarcações, a exemplo do que ocorreu na última segunda-feira (17).

O sistema de cabos-estais é semelhante ao utilizado na ponte União, que foi reconstruída na Alça Viária. 

O anúncio ocorreu no Terminal Hidroviário de Belém, durante uma coletiva neste domingo (23), quando foi apresentado o projeto de construção e o imediato início das obras da ponte de Outeiro.

Durante a coletiva, Adler Silveira, secretário de Estado de Transportes (Setran), órgão responsável pela construção da ponte, fez a apresentação das soluções estudadas e anunciou que o consenso foi pelo sistema de estais aprovado pelo Grupo de Trabalho (GT) criado para encaminhar as questões  da ponte. O GT foi formado pelo Governo do Estado, Prefeitura de Belém, Conselho de Regional de Engenharia  e Arquitetura do Pará (CREA) e órgãos de controle, como Ministério Público do Estado do Pará (MPPA), Ministério  Público de Contas (MPC), Tribunal de Contas do Estado (TCE), em que ficou decidido  pela solução de estaimento da ponte,  "que ganhará  um mastro central e cabos de aços que farão a sustentação da ponte, que também será  totalmente restaurada, desde os pilares remascentes, tabuleiro, guarda-corpos, pista de rolamento em asfalto e instalação de defensas de proteção", pontuou Adler Silveira.

A ponte do Outeiro deve ter sua obra concluída  em sete meses. Marcelo Aranha, representante do Tribunal de Contas do Estado (TCE)  no Grupo de Trabalho, destacou que  dentro daquilo que compete ao órgão fará fiscalização da obra, e o acompanhamento de processo humanizado. "Na medida em que a fiscalização avançar, encaminharemos as conclusões à Setran para as medidas cabíveis. Necessário frisar que todas as informações das obras devem ser disponibilizadas para análise do Tribunal para que colaboremos com os órgãos de controle" disse.

A apresentação do projeto envolveu a área técnica  da Setran, membros da Prefeitura de Belém, e contou ainda com a presença do prefeito de Belém, Edmilson Rodrigues. 

 

Fiscalização 

Patrick Bezerra, represente do Ministério Público de Contas do Estado (MPC), destacou que a emergência da ponte do Outeiro  é tão grande que o Estado não terá a opção de contratar a empresa que deve construir a ponte em um ano, via processo licitatório, mas o grupo foi criado para que a contratação seja feita com segurança jurídica para atender melhor a contratação pública.

"É muito importante nossa iniciativa e nesse cenário de contratação para obras custosas, é muito importante que compensemos essas entidades com o máximo de transparência possível as autoridades de controle por meio da canalização de documentos tão logo que serão feitos, para a sociedade como um todo que nos ajuda a fiscalizar", asseverou.

Ângela Maria Balieiro Queiroz, promotora de Justiça do Ministério  Público do Estado do Pará (MPPA) destacou que o órgão está com grupo de trabalho , "que acompanha a obra e as execuções do trabalho de reconstrução da ponte de Outeiro, em vista que nós fazemos parte de um grupo de atuação no que diz respeito à segurança da navegação. Nesse quesito da obra e da segurança" disse.

A ponte do Outeiro foi construída há 35 anos. Segundo Jenilton Ugulino, representante do CREA Pará no GT, o grupo de trabalho foi criado dar celeridade ao trabalho, "mas principalmente garantir uma segurança técnica e jurídica desse processo de extremo imediatismo, para proteger a sociedade de modo geral. Visto que além de ser uma obra de custo significativo, também é de corpo técnico significativo. E o CREA está engajado para dar maior celeridade possível a essas documentações. Os documentos já estão sendo disponibilizados, assim, aceleramos a análise desses, inclusive se a empresa for de fora existe trâmite para cadastro dela e para isso também vamos dar viabilidade dentro da lei", destacou.

Pelo poder público municipal, a superintendente de Mobilidade Urbana de Belém (Semob), Valéria Ribeiro, destacou a agilidade no tempo de resposta do Governo do Estado para o reestabecimento do tráfego entre o continente  e a ilha do Outeiro.

"O Governo do Estado e Semob agiram de forma imediata e algumas horas depois, ainda pela manhã, já havia a primeira  embarcação para fazer o traslado de forma gratuita", destacou. 

 

Investigação 

A ponte do Outeiro foi interditada pelos órgãos de  segurança do Estado na última segunda-feira (17), após  perder seu pilar central com  abalroamento de uma embarcação nas primeiras horas do dia. 

O delegado Daniel Castro, da Polícia Civil, informou na coletiva que prosseguem as investigações para localizar os responsáveis  pelo sinistro.

"Pode (o sinistro) ser um  empurrador específico ou sucessivos choques de várias embarcações. Estamos fazendo perícias e em breve vamos divulgar a dinâmica: se foi uma embarcação que provocou a queda ou sucessivos choques de diversas embarcações", disse. 

Serviço: Para garantir o direito de ir e vir de cerca de 80 mil pessoas que vivem na ilha do Outeiro o Governo do Estado disponibilizou barcos, balsas e ferryboats para fazer o traslado de veículos e passageiros entre o distrito de Icoaraci  e Outeiro.

As novas opções oferecem mais conforto e maior capacidade de passageiros. As lanchas rápidas são equipadas com ar-condicionado e transitam entre a rampa de acesso de Outeiro ao trapiche de Icoaraci, em um trajeto com duração de cinco minutos. Já os navios trafegam entre o porto da Brasília, em Outeiro, e o Terminal Hidroviário de Belém, em viagens de cerca de 1h. 

Funcionamento: Todos os dias, inclusive final de semana, de forma gratuita.

Horários do navio: 

- Outeiro para Belém:

06:30 (embarcação com 550 lugares)

07:00 (embarcação com 300 lugares)

- Belém para Outeiro: 

12:00 (embarcação com 550 lugares)

13h (embarcação com 300 lugares)

- Outeiro para Belém

13:30 (embarcação com 550 lugares)

14:30 (embarcação com 300 lugares)

- Belém para Outeiro: 

17:30 (embarcação com 550 lugares)

19:30 ( embarcação com 300 lugares)

Também estão disponíveis para a travessia dois catamarãs, um com capacidade para 155 lugares e outro para 133.

Por Kátia Aguiar (SETRAN)