Hemopa homenageia instituições parceiras da doação de sangue 

24/11/2021 15h25 - Atualizada em 24/11/2021 15h38

Nesta quarta-feira (24), véspera do ‘Dia Nacional do Doador de Sangue’, a Fundação Hemopa realizou a ação Rede do Bem, como foi batizada, onde reuniu representantes de mais de 20 instituições parceiras, públicas e privadas no auditório Osvaldo Bellarmino, na sede, em Belém. O objetivo foi homenagear essas pessoas que contribuem com a causa da doação de sangue durante todo o ano, mobilizando pessoas para as caravanas solidárias e sensibilizando novos voluntários.

O Moto Clube feminino ‘Feras do Asfalto’ foi um dos que abraçou a causa. “A gente mobiliza sempre as meninas, as feras do asfalto. Mas quem não pode, tem a missão de trazer um convidado para doar”, conta Valdirene Siqueira, vice presidente do Moto Clube, que ainda complementou falando do dever social que elas procuram cumprir além das pistas. “A gente sempre bate na tecla: a nossa vida é feita de escolhas e, devemos fazer escolhas com responsabilidades social. Ser sempre solidário no trânsito e na vida. Porque nós dependemos de outras pessoas sempre”.

Durante a programação, os convidados assistiram palestras sobre a importância do voluntariado com a psicóloga Úrsula Rodrigues que destacou que “temos que fazer o bem sem esperar o que ganharemos em troca. Que quem pratica o voluntariado está fazendo o bem pra si mesmo e vai perceber a diferença dentro de si”.  Assim como a assistente social do Hemopa, Nazaré Saldanha, que falou sobre o autocuidado e a importância de cada um saber o que fazer para se sentir melhor no mundo. “O autocuidado só tem validade quando você sabe o que te faz bem. E quando você pratica o que te faz bem, recarrega as energias”.

O bombeiro Victor Magalhães, que é doador e compareceu representando a Associação dos Bombeiros Voluntario do Pará, falou sobre o espírito do voluntariado que está sempre presente na rotina da corporação. “A causa do bombeiro já é de salvar vidas. Estamos sempre nas ruas, ajudando, socorrendo, ensinando as pessoas a como agirem diante das situações. Então a gente não poderia ficar de fora desta causa que só contribui para transformar a sociedade”, destacou Victor que é vice presidente da Associação.

O momento auge deste encontro foi durante os depoimentos de três pacientes da Fundação Hemopa: Arcelena Sampaio, Fábio Conceição e Raimundo Xavier.  Cada um contou um pouco da luta diária que enfrenta. “Eu estou com uma úlcera no pé há meses. A cicatrização é mais difícil para mim. Mas sempre que recebo uma bolsa de sangue, a recuperação acelera e me sinto melhor”, disse Arcelena.

Fábio Conceição convive com a Doença Falciforme. É administrador e trabalha no Hemopa. Ora está na função de servidor e, ora como paciente, fazendo transfusão de sangue. “Eu nem sei dizer para vocês quantas bolsas de sangue eu já recebi na vida. Só posso dizer que foram muitas. E as doações de sangue foram decisivas para a minha evolução”.

O testemunho de Raimundo Xavier também mostrou a importância da doação de medula óssea. “Consegui o transplante de medula óssea e agora estou curado da Falciforme. Durante mais de trinta anos eu precisei das transfusões para sobreviver. E eu estou aqui para agradecer a cada um de vocês que doam sangue, mas também pedir que entrem para o cadastro de medula óssea, pois essa é a nossa cura. Eu sou um milagre!”. A compatibilidade de medula óssea é rara, por isso Raimundo considera a cura e estar vivo, um milagre.

Neste momento, os convidados receberam também cartinhas escritas a punho por crianças e jovens do Hemopa, do Hospital Octávio Lobo e do Pronto Socorro da 14 de Março. Pacientes oncológicos, com Anemias, Hemofilia, Doença Falciforme, acidentados, entre outros que precisaram de transfusão para lutar pela vida. Essa foi a forma que eles encontraram para agradecer aos doadores de sangue pelo ato solidário.

Antônia Barreto, coordenadora de humanização do Hospital Betina Ferro, não conseguiu segurar as lágrimas. “Na verdade, a gente é quem ganha por doar e fazer um bem ao próximo. Eu tenho um sobrinho com Falciforme e por isso fiquei mais tocada também. Não consegui me conter. É muito gratificante saber que a gente está no caminho certo”, disse a Antônia que também é doadora de sangue assídua.

Ao final da cerimônia, os representantes das instituições também foram agraciados com um certificado de agradecimento por serviços prestados à causa da doação de sangue. O presidente da Fundação Hemopa, Paulo Bezerra, entregou a certificação e aproveitou para apertar a mão de cada um. “Nós temos muitos motivos para agradecer a vocês. Passamos por momentos bem difíceis com essa pandemia, mas vocês estavam nos apoiando e ajudando na mobilização de doadores. É muito bom saber que as instituições conseguem entender esse movimento de cidadania, cultivando uma mentalidade de que a doação de sangue deve se perpetuar como prática constante, afinal os pacientes sempre vão precisar de transfusões. Por isso, nosso muito obrigado pela parceria”, destacou o presidente.

Por Anna Cristina Campos (HEMOPA)