Hospital de Clínicas comemora seis meses de bebê em tratamento de doença cardíaca

Os eventos na Clínica Pediátrica, que têm resultados positivos no tratamento dos pequenos pacientes, integram a política de atendimento humanizado do HC

22/04/2021 22h32 - Atualizada em 23/04/2021 00h00

Lanise Nunes e Luna Vitória nas comemorações dos seis meses da paciente da Cardiologia do HCDesde os primeiros dias após seu nascimento, Luna Vitória é motivo de celebração diária. Natural do município de Capitão Poço, no Nordeste do Pará, a menina nasceu com uma cardiopatia congênita complexa. Nesta quinta-feira (22), quando completou seis meses de vida, Luna ganhou comemoração no Hospital de Clínicas Gaspar Vianna, em Belém, onde faz tratamento.

Organizada pela equipe da Clínica Pediátrica do HC, a “festa da Luna” foi mais um motivo de agradecimento da mãe, Lanise Nunes. “Desde quando chegamos aqui, estamos sendo bem atendidas. Todos esses meses, mesmo quando ela estava na UTI (Unidade de Terapia Intensiva), teve bolo. É uma equipe que cuida como se fosse família”, enfatizou.Os profissionais do Hospital atestam a importância das comemorações para pacientes e seus familiares

Realizadas mensalmente com o objetivo de humanizar o atendimento, as celebrações de aniversário na Clínica Pediátrica chegaram a ser suspensas devido à pandemia de Covid-19. No entanto, em função das experiências e resultados positivos no tratamento, aos poucos a prática vem sendo retomada.

“É um conforto, uma esperança para as famílias, principalmente para quem acompanha o tratamento desde o início e convive com situações de incerteza. Nesses momentos, conseguimos proporcionar o resgate de situações que seriam vivenciadas fora do Hospital, e que acabam sendo positivas para a equipe por todo o envolvimento”, frisou a psicóloga Selma do Valle.

Ainda sem previsão de alta, Luna Vitória seguirá com o tratamento iniciado em dezembro de 2020. “Ela chegou com uma cardiopatia muito complexa e problema pulmonar associado. Mesmo com uma boa evolução, ela precisará passar ainda por outros tratamentos, até que tenha condições de suportar uma cirurgia”, informou Ana Capeloni, chefe de Enfermagem na Clínica Pediátrica do HC.

Por Marcelo Leite (HC)