Centro Monteiro Leite realiza cerca de 3 mil sessões de hemodiálise por mês

Ligado ao Hospital de Clínicas Gaspar Vianna, unidade é referência para pacientes renais de todo o Estado

30/11/2020 12h46 - Atualizada em 30/11/2020 14h04
Por Giovanna Abreu (SECOM)

Sandra Luiza Alves Teixeira, uma das pacientes atendidas na Clinica Monteiro LeiteO Centro de Hemodiálise Monteiro Leite, ligado à Fundação Hospital de Clínicas Gaspar Vianna (FHCGV), em Belém, é referência para pacientes renais de todo o Pará. Em 2020, mais de 18,3 mil atendimentos já foram realizados e cerca de 3 mil sessões de hemodiálise são feitas, em média, por mês. 

“Não temos fila de espera. O paciente, de Belém e do interior do Estado, que necessita de tratamento dialítico é referenciado pelo Sistema de Regulação Estadual e recebe no Centro, de forma inteiramente gratuita, todos os cuidados e acompanhamento durante as sessões de diálise” - Helena Peres, administradora da clínica de hemodiálise.

Centro é referência para pacientes renais de todo o ParáAtualmente, o Centro atende 143 pacientes, que realizam sessões de hemodiálise três vezes por semana no espaço. Este número representa 75% da capacidade de lotação da clínica. São 35 máquinas dialisadoras: 33 compõem a chamada ‘sala branca’ e duas ficam na ‘sala reservada’, destinada para portadores de patologias mais graves. 

Alan Ferreira, 46 anos, é um dos pacientes renais crônicos que comparece três vezes na semana nas sessões de diálise no Centro. Antes do transplante de rim que realizou em 2007, no Hospital Ophir Loyola, Alan fez cinco anos de diálise. 

Kelly Amaral, médica nefrologista da Clinica Monteiro LeiteAlguns pacientes permanecem com os rins transplantados funcionando por mais de dez anos. No caso de Alan, o rim foi parando após sete anos e ele precisou voltar para as sessões de hemodiálise. “O Centro Monteiro Leite é uma das melhores clínicas que nós temos no Estado. A qualidade do atendimento, todo o suporte e cuidados com a higienização são garantidos aqui”, conta.

A médica nefrologista do Centro, Kelly Amaral, reforça a importância de o Estado disponibilizar este tipo de serviços aos pacientes renais crônicos do Pará. “Eles dependem deste tratamento para sobreviver, representa a continuidade da vida para eles. Este procedimento possui um custo elevado e muitos pacientes não teriam condições de ter acesso, se precisassem pagar”, explica.

REGULARIDADE 

A qualidade de vida dos pacientes é, segundo a médica, diretamente relacionada à regularidade do tratamento. Se feito corretamente, os pacientes conseguem manter atividades profissionais e pessoais muito próximas à normalidade. 

Sandra Teixeira, 57 anos, que é paciente renal crônica, faz tratamento no Centro há seis anos e afirma não perder um dia da diálise. “Adaptei minha vida para conseguir fazer todo o tratamento direitinho. Quem perde um dia de diálise, pode sentir mais cansaço e outros sintomas. Me sinto muito bem de saúde e pela acolhida que recebo aqui, todos nos tratam muito bem”, afirma. 

Transplantado, Alan Ferreira precisa comparecer três vezes na semana nas sessões de diálise no CentroPANDEMIA

O serviço de hemodiálise do Centro Monteiro Leite se mantém ativo desde o início da pandemia de Covid-19, por tratar de atendimentos essenciais à saúde. Cuidados com a higienização, o distanciamento social, reorganização dos atendimentos e o uso de Equipamentos de Proteção Individual foram intensificados para seguir todos os protocolos de segurança determinados pela Organização Mundial de Saúde (OMS). Em 2019, foram 25.934 sessões de hemodiálise realizadas no Centro.

PREVENÇÃO

A nefrologista Kelly Amaral aponta o diabetes e a hipertensão arterial como as principais causas da doença renal crônica e lista alguns cuidados preventivos relacionados às doenças:

- Evitar o consumo exagerado de açúcar e sal, bebidas alcoólicas, tabagismo;
- Realizar atividades físicas, como forma de prevenir a obesidade;
- Ingestão de 2 a 3 litros de água por dia;
- Alimentação equilibrada e balanceada.

HEMODIÁLISE

O procedimento é responsável por realizar a função do rim no corpo do paciente, eliminando substâncias tóxicas, água e sais minerais com o auxílio de um equipamento. Naturalmente, os rins fazem este papel, por meio da urina, mas pacientes com insuficiência renal necessitam do tratamento.

Serviço:

O Centro de Hemodiálise Monteiro Leite funciona na Rua dos Mundurucus, nº 1.720, no bairro Batista Campos, em Belém. Para mais informações: (91) 3342-2904.