Conselho do Funcacau aprova novos projetos para o fomento do cacau no Pará

Propostas vão garantir assistência técnica, pesquisa e aumento das áreas agricultáveis no Estado

11/11/2020 10h32 - Atualizada em 11/11/2020 16h30
Por Camila Botelho (SEDAP)

Reunião do Conselho Gestor do Funcacau na sede da Sedap, em Belém, aprovou ações para o desenvolvimento da cacaicultura  O conselho gestor do Fundo de Desenvolvimento da Cacauicultura no Pará (Funcacau) aprovou, na terça-feira (10), projetos que vão garantir assistência técnica, pesquisa e aumento das áreas agricultáveis para o cacau no Estado. 

A reunião ocorreu na Secretaria de Estado de Desenvolvimento Agropecuário e da Pesca (Sedap) e foi presidida pelo secretário Hugo Suenaga, que deseja que se mostre cada vez mais a amêndoa de qualidade existente no Pará. “Hoje estamos aprovando projetos importantes, de um setor muito importante que é a cadeia da cacauicultura. Nosso objetivo é alavancar a produção do Estado e ser maior produtor de cacau do mundo”. 

Dentre os projetos aprovados, estão o da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), apresentado pelo chefe-geral, Adriano Venturieri, sobre o mapeamento do cacau, pois mesmo sendo o maior produtor, não se tem conhecimento sobre a distribuição das lavouras.

O secretário da Sedap, Hugo Suenaga, participou do encontro e defendeu maior visibilidade para a amêndoa de qualidade no ParáDe acordo com Venturieri, apesar do cultivo da lavoura de cacau, a expansão é sustentável, o que contribui para a redução do desflorestamento e queimadas. “Isso mostra que o cacau não está provocando nenhum desmatamento. Vamos iniciar o mapeamento automático, com os sistemas agroflorestais em parceria com a Nasa, para ajustar esses algoritmos de identificação de imagem”, afirma.

O segundo projeto a ser apresentado foi do engenheiro agrônomo Paulo Júlio Neto, da Comissão Executiva do Plano da Lavoura Cacaueira (Ceplac), sobre a expansão da cacauicultura no estado do Pará, através da produção de sementes híbridas de cacaueiros, produção in vitro de propágulos de bananeira (Musa spp) no laboratório de cultura de tecidos da Ceplac, manutenção do banco de germoplasma e capacitação de técnicos e agricultores familiares em tecnologia de produção de cacaueiros em SAF’s. 

“Nossa meta é atender 20% de áreas produtivas de cacau no estado do Pará ao ano, totalizando 60% do período de três anos, assim como, aumentar a produtividade de 900kg/ha para 1.200kg/ha”, propõe o agrônomo.

Representando a Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar), Dacio Campos de Carvalho apresentou o projeto do Programa de Assistência Técnica e Gerencial (Ateg), cujo foco é a dinamização sustentável da cadeia produtiva da cacauicultura e impulsionar o crescimento da produção, contribuindo para o aumento da renda, gerando mais empregos e melhorando a qualidade de vida do produtor. “Nosso foco é a gestão para tentar organizar a propriedade rural, para que ela se olhe como uma empresa rural”.

O secretário adjunto, Lucas Vieira, ficou encarregado com a apresentação do projeto da Sedap. O objetivo é o fortalecimento e estruturação das atividades cacaueiras que serão apoiadas pelas regionais de Marabá, Santarém e Redenção. O total será de 22 municípios com 440 produtores beneficiados.

Participaram da reunião membros da Secretaria Estado da Fazenda (Sefa), Federação da Agricultura e Pecuária do Pará (Faepa), Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado do Pará (Emater), Senar e Sedap.