Cosanpa participa de encontro virtual sobre abastecimento de água na região do Baixo Amazonas

23/10/2020 16h45 - Atualizada em 23/10/2020 16h51
Por Tayná Horiguchi (COSANPA)

A Companhia de Saneamento do Pará (Cosanpa) participou, nesta sexta-feira (23), do XVIII Encontro de Estudos e Debates sobre Águas Doces de Santarém e do Baixo Amazonas, realizado virtualmente por uma plataforma digital. O tema desta edição foi “Abastecimento de Água, Saúde e Meio Ambiente” e discutiu a situação atual do sistema de água da região e as consequências de baixos índices de saneamento para a saúde dos moradores da área.  

O evento virtual começou com a palestra da professora PhD Fernanda Cássio, da Universidade do Minho, em Portugal, que discursou sobre os desafios para sustentabilidade da água no século XXI. Logo em seguida, houve uma mesa redonda com acadêmicos, sociedade civil organizada e instituições ligadas ao assunto. 

O presidente da Cosanpa, José Antonio De Angelis, falou sobre os desafios de avançar com saneamento no Pará e os investimentos que estão sendo feitos para mudar a realidade da região. “Os desafios são enormes, começando pela logística de material e do próprio andamento da obra para os municípios mais distantes da capital, quando levamos em consideração as dimensões continentais do nosso Estado. Estamos ultrapassando essas barreiras e um exemplo disso é que retomamos todas as obras que estavam paradas, financiamentos aprovados que estavam interrompidos junto à Caixa Econômica Federal e ao Ministério do Desenvolvimento Regional. O Governo do Estado não tem poupado esforços para o setor, estamos investindo mais de R$ 1 bilhão em obras de saneamento em diversos municípios paraenses, entre eles, Santarém, Monte Alegre, Alenquer e Oriximiná, na região do Baixo Amazonas”, explicou De Angelis. 

O professor Reinaldo Peleja, da Universidade Federal do Oeste do Pará (Ufopa), apresentou estudos sobre recursos hídricos na região do Baixo Amazonas. Em sua fala, o acadêmico elogiou o trabalho que vem sendo feito pela Companhia. “A Cosanpa está evoluindo, a melhoria é significativa”, disse.