Avaliação inicial aponta preservação da estrutura da ponte Acará-Miri, em Tomé-Açu

Técnicos da Setran estão no local desde a sexta-feira fazendo os estudos que permitirão identificar o que provocou o deslizamento da cabeceira

02/08/2020 13h39 - Atualizada em 02/08/2020 14h11
Por Kátia Aguiar (SETRAN)

A estrutura da ponte Acará-Miri, na Rodovia PA-451, em Tomé-Açu, município do nordeste paraense, não foi abalada pelo rompimento ocorrido na cabeceira na última sexta-feira (31), aponta o relatório preliminar da Secretaria de Estado de Transportes (Setran). A equipe de engenharia do governo do Estado chegou ao local ainda na sexta-feira e acompanha a finalização dos estudos e da sondagem no solo. Em seguida, será feito o estudo topográfico para confirmar se houve, ou se poderá ocorrer, movimentação da estrutura.Técnicos e máquinas já estão no trecho da Rodovia PA-451 onde fica a ponte

“Visivelmente não houve avaria na estrutura da ponte. Foi detectado que duas estacas, P1 e P2, precisam ser substituídas, assim como será feita a recomposição da cabeceira da ponte e do pavimento asfáltico”, detalhou Pádua Andrade, secretário de Estado de Transportes. A ponte sobre o Rio Acará-Miri tem 104 metros de extensão e 8,60 m de largura. Foi construída em concreto nos anos 1990.

Interrompido no trecho da ponte, o tráfego foi desviado para a vicinal MariquitaPeritos criminais do Núcleo de Engenharia Aplicada do Centro de Perícias Científicas Renato Chaves e técnicos da Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Sustentabilidade (Semas) investigam se houve alguma intervenção humana na área da ponte que possa ter provocado o deslizamento de terra e, a consequentemente, o problema na cabeceira.

O tráfego no local está suspenso. As equipes da Setran continuam trabalhando na melhoria da vicinal Mariquita, em Vila Socorro, que dá acesso à Rodovia PA-252, no KM-14, já no município do Acará, que está servindo de acesso à sede municipal de Tomé-Açu enquanto a ponte estiver em obras.