Santa Casa registra 17,4 mil atendimentos na maternidade no primeiro semestre de 2020

De janeiro a junho, foram realizados na maternidade da Santa Casa 4.284 partos

13/07/2020 11h07
Por Samuel Mota (SANTA CASA)

Talia Silva mora em Ananindeua e foi uma das pessoas atendidas pela Santa Casa nesse períodoA Santa Casa de Misericórdia do Pará divulgou o balanço de atendimentos, consultas e procedimentos realizados no primeiro semestre de 2020. Ao todo, foram registrados 17.406 atendimentos na Urgência e Emergência do hospital, o que dá uma média de 2.900 atendimentos/mês. Esses serviços aos usuários do Sistema Único de Saúde (SUS) demonstram a credibilidade do público no trabalho profissional da Instituição. Números que mostram a importância da Santa Casa do Pará, mesmo diante da pandemia da Covid-19, enfrentado pelo país nos últimos meses. No estado do Pará, o hospital se tornou uma das referências para receber pacientes acometidos com a doença.

“Na Santa Casa tivemos que fazer diversas adaptações para conseguirmos atender a nossa população. Aumentamos o quantitativo de leitos de UTI, com todo o apoio da Sespa e do governo do Estado, por sermos um dos hospitais de referência na questão da Covid-19. Tivemos ainda que absorver toda a demanda de obstetrícia dos pacientes que eram atendidos no hospital Abelardo Santos, após ele ter se tornado exclusivamente para pacientes acometidos com a Covid-19”, ressalta Bruno Carmona, presidente da Fundação Santa Casa. 

“Agora estamos no caminho inverso gradativo, de forma menos abrupta como foi a instalação por conta da urgência do momento que exigiam as atitudes que tomamos e fizemos. Com o apoio de todos os servidores e da administração da Santa Casa, nós conseguimos dar conta da demanda, marcando o papel da Fundação dentro das suas ações de saúde para o Estado”, destaca Bruno Carmona.

De janeiro a junho, foram realizados na maternidade da Santa Casa 4.284 partos (2.079 partos normais e 2.205 cesarianas). Para o presidente da Santa Casa, os números de atendimentos são bastante significativos. "Temos um corpo funcional muito bom, que garante um atendimento qualificado à população. Mais uma vez a missão institucional vem sendo cumprida à contento e a gente segue no trabalho, dentro daquilo que a Santa Casa está destinada a fazer no dia a dia", complementou. 

Talia Cristina Souza Silva, 18, fez seu pré-natal no posto de saúde próximo da sua casa em Ananindeua, região metropolitana de Belém. Quando estava com quase nove meses de gestação passou mal e foi encaminhada à Santa Casa do Pará. A jovem disse que ficou satisfeita com o atendimento recebido na maternidade.

“Não tenho o que reclamar. Fui muito bem atendida por todos, recebi orientações sobre os cuidados que tenho que ter com o meu filho, e também sobre a importância de sua amamentação exclusiva até os seis meses iniciais de vida. Cuidaram muito bem do meu filho, ele nasceu com 2,800g e devido a complicações no parto teve que ir para a UTI (Unidade de Tratamento Intensivo) e depois para a UCI (Unidade de Cuidados Intermediários). Estou muito feliz com a alta de meu bebê, agora é voltar para casa e cuidar dele”, diz Talia.

Ambulatório - A Santa Casa do Pará encerrou o primeiro semestre de 2020 com uma produtividade significativa em vários setores, como é o caso da área Ambulatorial com 25.603 consultas realizadas pelas equipes multiprofissionais da Fundação (médicos, enfermeiros, fisioterapeutas, nutricionistas, assistentes sociais, psicólogos, fonoaudiólogos e terapeutas ocupacionais). Também foram computados 16.387 procedimentos a pacientes atendidos nos ambulatórios. Na área de Diagnóstico por Imagens e Endoscopia foram realizados 36.199 exames, entre os quais raio-X, tomografia, ultrassonografia, ecocardiograma, ressonância e endoscopia.

Marcelina dos Santos e a filha Vitória dos Santos, que está grávida, durante consulta de pré-natal no Ambulatório

Marcelina dos Santos mora em Belém e acompanha a filha Vitória dos Santos, para a consulta de pré-natal com a nutricionista do Ambulatório da Mulher. Ela conta que a filha foi diagnosticada com citomegalovírus e faz tratamento para evitar que o bebê seja contaminado através da placenta ou durante o parto, o que pode resultar em alterações no desenvolvimento da criança.

“Essa já é a quarta consulta que viemos. Ainda bem que, mesmo com a pandemia, não parou as consultas de pré-natal. Acho muito bonito o trabalho em prol das crianças e das gestantes que é desenvolvido aqui. A gente gostou muito do acolhimento que recebemos de todos os profissionais, fomos muito bem atendidas”, relata Marcelina.

Neonatologia - Em média, são realizadas 200 altas por mês das crianças internadas na área de neonatologia da Fundação Santa Casa. Para garantir uma assistência de excelência, a Instituição está sempre investindo na capacitação da sua equipe multiprofissional em técnicas cientificamente comprovadas que garantam a esses bebês o menor tempo possível de internação, cumprindo todos os protocolos de atendimento necessários, de forma humanizada e segura para a melhor evolução dos pequenos pacientes.

Banco de Leite - A integração entre os diversos setores do hospital e o Banco de Leite Humano trouxe um avanço para a área hospitalar. Neste primeiro semestre de 2020, foram feitas 2.604 visitas domiciliares, o que possibilitou uma arrecadação de 1.012 litros de leite humano, para o consumo de bebês prematuros e de baixo peso, internados na área de neonatologia da Santa Casa.

Segundo Cynara Souza, da coordenação do Banco de Leite Humano da Santa Casa, a coleta de junho foi de 256,557 ml, um aumento de 23,12% na arrecadação. O que constata que todas as mobilizações como campanhas, lives, entre outras pautadas na segurança da amamentação, foram fundamentais para aumentar o estoque.