Utilização de equipamentos de segurança é tema de treinamento no HC

07/04/2020 15h03 - Atualizada em 07/04/2020 17h04
Por Melina Marcelino (HC)

A utilização correta e racional de Equipamentos de Proteção Individual (EPIs) no atendimento a pacientes com suspeita ou confirmados com o novo coronavírus é o tema de um treinamento para profissionais de todos os setores assistenciais e de saúde da Fundação Hospital de Clínicas Gaspar Vianna (FHCGV). A FHCGV já disponibilizou aos setores de assistência e aos profissionais de saúde, os EPIs recomendados pela Anvisa e pelo Ministério da Saúde.

Equipamentos de proteção individuaisSegundo Andreza Mota, gerente de enfermagem, o objetivo do treinamento é padronizar as informações para que os profissionais sigam as instruções com base no que foi acordado com a Comissão de Controle de Infecção Hospitalar (CCIH) da FHCGV, que se baseou nas normas técnicas atualizadas da Anvisa. “A intenção é minimizar a ansiedade dos profissionais, capacitá-los a utilizar os EPIs de forma correta e fazer com que se sintam mais tranquilos na assistência prestada ao paciente da covid-19”, disse a enfermeira.

Diego Santos, assessor de qualidade e segurança da FHCGV, explica que o contágio da covid-19 é por meio de gotículas respiratórias, do contato direto e durante alguns procedimentos que gerem aerossol, por isso, é necessário que os profissionais da assistência estejam bem protegidos.

“No caso de contaminação por gotículas é indicado o uso da máscara cirúrgica comum, adicionada a precauções de contato, usando o avental descartável, as luvas e óculos de proteção, para proteger os olhos do profissional e a utilização da touca que é para proteger o cabelo de contaminação. Nos procedimentos que gerem aerossóis, como a intubação, aspiração, ressuscitação ou coletas nasotraqueais, as partículas acabam se aerolizando, ou seja ficam menores e nesses casos os profissionais precisam de uma máscara especial, que é a N95, que tem um poder de filtro maior. O protetor facial também é recomendado nos procedimentos que geram aerossol”, explica Diego. O assessor acrescenta ainda, que somado aos EPIs, “a higienização das mão é muito importante nos momentos essenciais de colocação e retirada dos equipamentos, justamente para evitar que o profissional se contamine na retirada do material”.

Frente ao cenário atual da pandemia do novo coronavírus, a proteção dos profissionais da saúde é um item fundamental para a direção da FHCGV, que criou uma Comissão de Educação Permanente, formada por enfermeiros, gerentes de serviço, fisioterapeutas, técnicos de segurança no trabalho e enfermeiros da Assessoria de Qualidade e Segurança e da CCIH. A comissão elaborou um documento de Instrução de Trabalho, onde explica passo a passo o processo de colocação e retirada de EPIs. 

“Montamos uma instrução de trabalho, baseada em informações da Anvisa, que descreve o passo a passo da paramentação e desparamentação do profissional. Foi identificado que esse é um dos principais momentos de contaminação dos profissionais de saúde. O documento também explica os cuidados adicionais que precisamos ter com esses equipamentos”, explica Diego Santos, Assessor de Qualidade e Segurança da FHCGV. 

“Discutimos protocolos de algumas condutas, de como conduzir e como manipular os pacientes com suspeita ou confirmação da covid-19. Temos o objetivo de atingir todos os funcionários da instituição, para que todos se sintam seguros e capacitados a cuidar desse paciente”, garante Christielaine Zaninotto, enfermeira responsável pela emergência cardiológica, que também contribuiu para a elaboração da Instrução de Trabalho e do treinamento aos servidores.