Sedeme conhece projeto tecnológico inovador para o ferro gusa do Pará

Equipe visitou a planta piloto da Tecnored, que possui projeto de baixa emissão de carbono para a cadeia produtiva

12/02/2020 20h43 - Atualizada em 13/02/2020 11h25
Por Governo do Pará (SECOM)

Elaborado com base sustentável para a instalação de planta industrial em Marabá, um produto inovador para a produção de ferro gusa, matéria prima para a fabricação do aço, foi apresentado pela mineradora Vale, em visita técnica, na quarta-feira (12), em São Paulo. A tecnologia foi mostrada para uma comitiva formada pelo titular da Secretaria Estadual de Desenvolvimento Econômico, Mineração e Energia (Sedeme), Iran Lima; pelo presidente do Sistema Fiepa, José Conrado Santos; presidente do Simineral, José Fernando Gomes; pelo superintendente do Sebrae Pará, Rubens Magno e, pelo diretor regional do Senai e superintendente do Sesi Pará, Dário Lemos.

A inovação apresentada é chamada de gusa verde, produto sustentável, elaborado a partir de vários produtos do campo, como o milho, resíduos de cana de açúcar, caroço de açaí e outras biomassas. O tempo de produção leva somente 70 minutos, contra as 7h ou 8h da gusa tradicional.

A planta industrial será localizada no território da antiga Ferro Gusa Carajás aguardando apenas o processo de licença ambiental. A expectativa é começar a obra em agosto de 2020 com previsão de inauguração entre final de 2022 e início de 2023.

"A região de Marabá demanda por ações que busquem maior desenvolvimento e acreditamos que o projeto tem tudo para dar certo, pois incentiva o agricultor a produzir matéria prima, além de melhorar a produção de proteínas e fazer a economia circular na região. O governo do Estado está disposto a viabilizar esse projeto o mais rápido possível. A verticalização do ferro no Pará é um anseio da população local há tempos e agora teremos uma nova proposta para tornar isso uma realidade” - Iran Lima, secretário da Sedeme.

“O projeto Tecnored vem ao encontro do planejamento estratégico da indústria e do Governo do Pará, que incentivam o desenvolvimento de tecnologias e a geração de inovações ao longo do processo produtivo, com o objetivo de aperfeiçoar as práticas produtivas e contribuir para a melhoria da competitividade e a geração de emprego e renda da nossa população”, disse José Conrado Santos.

De acordo com dados da mineradora, a planta terá capacidade de produção de 500 mil toneladas de ferro-gusa por ano, utilizando como recursos minério de ferro, biomassas e resíduos siderúrgicos diversos.