Sectet apresenta Programa Forma Pará para colégio de dirigentes do IFPA

12/02/2020 17h23 - Atualizada em 12/02/2020 18h01
Por Fernanda Graim (SECTET)

Estiveram presentes no encontro o titular e a adjunta da Sectet, Carlos Maneschy e Edilza Fontes, além de diretores gerais dos campi e pró-reitores do IFPA. 

“Estamos nos sentindo honrados com a visita do Secretário e a possibilidade
de participar desta ação tão importante, não para o Instituto ou para a
Secretaria, mas principalmente para o desenvolvimento do estado na medida
em que leva a educação superior pelos nossos municípios”. Avaliou o reitor do
Instituto Federal do Pará (IFPA), Cláudio Alex Jorge da Rocha, após a reunião
que ocorreu na manhã desta quarta-feira (12), na reitoria do Instituto, a respeito
do Projeto Forma Pará, ação do Governo do Pará, realizada por meio da
Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Educação Profissional e
Tecnológica (Sectet) e da Fundação Amazônia de Amparo a Estudos e
Pesquisas (Fapespa), com a parceria de Instituições de Ensino Superior (IES)
públicas e prefeituras municipais.

Reitor do Instituto Federal do Pará (IFPA), Cláudio Alex Jorge da Rocha.

Na oportunidade, o secretário esclareceu sobre o projeto, destacando
que este tem como principal objetivo diminuir o déficit de formação superior e
tecnológica nos municípios paraenses. Para tanto, busca-se dar oportunidade
de acesso ao ensino superior a pessoas que residem em municípios onde não
existem campi universitários ou onde os polos das instituições públicas não
oferecem o curso demandado pela população.

Maneschy ressaltou que o Forma Pará funciona diante de três eixos: as
demandas dos municípios que chegam até a Secretaria; a disponibilidade das
IES; e a disponibilidade orçamentária da Sectet. Nesse sentido, o titular da
secretaria revelou que, em 2019, foram investidos R$ 5 milhões no projeto, o
que possibilitou a abertura de 20 turmas, com 50 alunos cada, em 15
municípios.

Investimento 

A previsão é que, até 2022, seja investido um total de R$ 20
milhões, o que corresponde a quatro mil vagas, sendo 1.000 por ano. “Pode
parecer pouco diante da demanda deste estado, que é tão grande, mas é muito
mais, por exemplo, do que todas as universidades públicas juntas poderiam
oferecer de novas vagas nos próximos anos”, enfatizou o secretário.

O titular da Sectet comemorou ainda o fato de que o orçamento na área de
ciência e tecnologia tem aumentado no estado. Ele destacou que, de 2019 para
2020, por exemplo, o orçamento disponibilizado pelo Governo do Pará à
Fapespa mais do que duplicou.

Além disso, no último dia 3 de fevereiro, o governador Helder Barbalho assinou
projeto de lei, encaminhado à Assembleia Legislativa, que destina 20% dos
recursos da Contribuição Financeira da Exploração Mineral (CFEM) para
investimentos em ciência, tecnologia e inovação do estado do Pará.

Oferta de vagas

Durante a reunião, foram alinhadas ainda as ofertas de
vagas, por meio do IFPA, assim como foram esclarecidas as dúvidas dos
presentes a respeito da execução do projeto e realização dos cursos nos
municípios. Diante dos questionamentos e exposições das dificuldades de cada
região, o secretário Carlos Maneschy sugeriu que as instituições também
manifestassem suas ideias e que todos façam esforços no sentido de inovar
para que os cursos não deixem de ser ofertados. “Precisamos sair da zona de
conforto, porque se nos apegarmos a ela não iremos a lugar algum”, estimulou.
Para que ocorra a oferta de cursos em determinados municípios, é necessário
que a prefeitura de cada lugar acione a Sectet, expondo as demandas locais de
acordo com as vocações produtivas de cada região. Diante disso, serão
analisados os indicadores, as necessidades e as prioridades de cada
município.

As IES públicas que ofertam os cursos demandados e possuem campi
próximos às sedes dos municípios demandantes são, então, acionadas para a
oferta das turmas que poderão ocorrer de forma intensiva ou regular modular.
Os processos seletivos para preenchimento das vagas ocorrem por meio da
própria IES parceira.

No último domingo (9), por exemplo, a Universidade do Estado do Pará (Uepa)
realizou o processo seletivo especial para o preenchimento de 50 vagas do
curso de Enfermagem, em Curuçá e 50 do curso de Licenciatura em Ciências -
Habilitação em Química, em Bagre. Em Curuçá, 977 estudantes disputaram as
vagas, uma demanda de 19,54 candidatos por vaga. Já em Bagre,
inscreveram-se 429 pessoas, uma concorrência de 8,54 pessoas por vaga.