Obras da Seccional Urbana da Sacramenta avançam após demolição do prédio antigo

Unidade está funcionando em endereço provisório na Avenida Senador Lemos

10/12/2019 18h49 - Atualizada em 11/12/2019 01h51
Por Dayane Baía (SECOM)

A reconstrução da Seccional Urbana da Sacramenta está em ritmo acelerado na Travessa Perebebuí, em Belém. O prédio, inaugurado nos anos 1980, que abrigou a primeira seccional da capital paraense, passou este ano por avaliação do Centro de Perícias Científicas Renato Chaves (CPCRC), confirmando a degradação avançada, o que levou à demolição do prédio em novembro. As obras da nova Seccional Urbana iniciaram há cerca de três meses.

A unidade está funcionando provisoriamente em novo endereço, na Avenida Senador Lemos, desde o dia 13 de novembro. Com a mudança, a população dos bairros adjacentes pode contar com mais comodidade no atendimento, e os servidores com melhores condições de trabalho.

O delegado-geral de Polícia Civil, Alberto Teixeira, já esteve à frente da Seccional e conheceu de perto as necessidades que começam a ser sanadas. “O prédio anterior, já muito antigo, trata-se da primeira seccional urbana da capital. Já não estava adequado às demandas da Polícia Civil e, por conseguinte, da própria população. Com o tempo, estava fora do nível da rua. Quando nós tínhamos uma chuva o prédio ia para o fundo, e trazia transtornos porque queimava equipamentos. Nós tínhamos que secar a seccional. E também acumulava água na laje do prédio, infiltrava, ficava um ambiente muito insalubre para quem ali frequentasse”, lembrou o delegado-geral.

O prédio antigo abrigava, além da Polícia Civil, unidades da Polícia Militar e da então Superintendência do Sistema Penitenciário do Estado do Pará (Susipe). No projeto está prevista a devolução da Diretoria de Identificação (Didem), oferecendo uma nova opção para a comunidade emitir carteiras de identidade, complementando o serviço oferecido na Delegacia-Geral. A edificação da Didem já na próxima semana deve receber revestimento. 

Etapas da obra - Após a demolição do prédio antigo, seguida da retirada de entulho, o terreno precisou ser nivelado, em trechos que variam de 50 centímetros a três metros de altura. “Há um histórico de um olho d’água nas proximidades, e com isso é necessário aterrar a área. Quando chovia, entrava água e a vazão não dava conta, inundava", acrescentou o diretor da Seccional, Fernando Pitton Albanese. Segundo ele, o ambiente era insalubre, com constantes alagamentos, além de não disponibilizar banheiros públicos.

No espaço provisório da Seccional da Sacramenta antes funcionava uma agência bancária. O serviço está ocorrendo normalmente, de acordo com o diretor Fernando Albanese.  Os usuários começaram a se sentir assistidos pelo Estado.

Ana Letícia Rocha, 38 anos, foi conhecer as instalações, que agora contam com sala de espera e outros ambientes climatizados. “É a primeira vez que venho à Seccional. Recebi um ótimo atendimento! É um espaço maior, bem estruturado e organizado. Eu gostei, me senti bem”, elogiou. 

A trabalhadora autônoma Amanda Dias, 23 anos, moradora do bairro do Telégrafo, viu facilidade na nova  localização, em uma das maiores avenidas da capital paraense. “O prédio antigo era muito precário, não oferecia conforto. Esse aqui é bem melhor do que o outro. O atendimento também é mais rápido e os agentes estão mais atenciosos”, avaliou.

Ampliação - Para o diretor da unidade, os benefícios da mudança física já estão se refletindo no serviço à comunidade. “Com a mudança de endereço, a estimativa é aumentar o número de procedimentos e prisões, e melhorar ainda mais o atendimento qualificado. Temos duas viaturas abastecidas para a equipe sair e cumprir o papel da Polícia Civil em investigar e, se tiver crime, resolver”, afirmou o diretor Fernando Albanese.

O delegado Miguel Cunha Filho está na Polícia Civil há três décadas, e os últimos dez anos foram na Seccional da Sacramenta. “Aquele prédio começou a ser construído em 1970, e de lá para cá passou por intervenções, foi ampliado. É excelente a mudança provisória. O delegado-geral atendeu às reivindicações dos servidores e viabilizou esse novo local, que está centralizado. Toda a parte administrativa e operacional está em um imóvel adequado, e isso melhora a autoestima dos servidores, incentiva-os a trabalhar mais e melhor”, avaliou Miguel Cunha Filho. A delegada Ocione Guidão concordou com o colega de profissão. “É ótimo! Todo ambiente bom, arejado, bonito e limpo faz bem, qualquer servidor gosta de trabalhar em um lugar assim”, ressaltou.

Investimento - O projeto, executado por meio da Secretaria de Estado de Segurança Pública e Defesa Social (Segup), chega a R$ 2,5 milhões, quantia oriunda do Fundo de Investimento de Segurança Pública (Fisp), que tem por finalidade prover recursos para reequipamento, manutenção de material, construção e reforma de estrutura física das polícias Civil e Militar, e do Corpo de Bombeiros. O prazo para entrega do empreendimento é de 300 dias, e a previsão é que esteja pronto em julho de 2020. 

“Ali nós vamos comportar a nova estrutura policial com equipamentos de ponta, para satisfazer as necessidades dos nossos policiais civis e da sociedade naquelas questões propriamente ditas das nossas atribuições: a investigação policial e o exercício da polícia judiciária para elucidar e responsabilizar aqueles que praticam crimes”, disse Alberto Teixeira.

Além da Sacramenta, a Seccional atende a uma área que começa na Travessa Djalma Dutra, no bairro do Telégrafo,  até o viaduto da Avenida Centenário, em Val de Cães, passando pelo Barreiro, Vila da Barca, CDP e Maracangalha. Diariamente são realizados cerca de 50 atendimentos que geram 30 ocorrências, entre termos circunstanciados e inquéritos policiais.

Serviço: Seccional Urbana da Sacramenta, na Avenida Senador Lemos, nº 1055, entre as travessas José Pio e Manoel Evaristo.