Pará defende gestão sustentável dos recursos da floresta

Helder Barbalho é o único governador a participar do evento promovido pela Universidade de Princeton

17/10/2019 23h14 - Atualizada em 21/10/2019 11h31
Por Ronan Frias (SEMAS)

Governador e o líder indígena Almir Suruí, participantes da conferência nos Estados Unidos"Continuaremos a buscar parcerias internacionais, sem que isso seja enxergado como conflito no âmbito nacional. Compreendemos que cada um deve honrar com as suas responsabilidades, e que cada um deve buscar soluções. Por isso, estamos aqui para dizer que o Pará deseja construir, com as senhoras e senhores, soluções, e buscar que a nossa Amazônia seja um absoluto ativo de desenvolvimento e interesse inicialmente do Brasil, e com repercussão internacional e global". O posicionamento do Governo do Pará, com uma visão sustentável da gestão dos recursos naturais, foi enfatizado pelo governador Helder Barbalho nesta quinta-feira (17), nos Estados Unidos, na abertura da Conferência Internacional sobre Preservação da Amazônia.

O evento, que prossegue até sexta-feira (18), tem como tema central “Salto da Amazônia: visão de longo prazo para proteger a Amazônia para o Brasil e o planeta”. Helder Barbalho é o único governador brasileiro a participar da conferência, junto com o secretário de Estado de Meio Ambiente e Sustentabilidade, Mauro O’de Almeida; Isabella Teixeira, ex-ministra do Meio Ambiente; Daniel Azeredo, procurador federal no Pará; Almir Suruí, liderança indígena, e o apresentador Luciano Huck.

A viagem do governador paraense até New Jersey foi custeada pela Universidade de Princeton, realizadora do evento, uma das mais conceituadas no mundo pelo reconhecimento às ações desenvolvidas nas áreas de pesquisa e ensino.

Durante a programação realizada na noite desta quinta-feira, Helder Barbalho ressaltou a importância do apoio internacional para a preservação da floresta. Sobre a interação internacional em defesa da Amazônia, o governador do Pará ressaltou que "o que está sendo discutido aqui, seguramente, se faz necessário, com o intuito de que aquilo que se constrói como solução possa se tornar efetivo no ambiente institucional nacional".

Helder Barbalho defendeu o desenvolvimento da Amazônia com prioridade para os interesses da populaçãoVocação e população – O chefe do Executivo paraense também destacou a aptidão natural da região. "O Estado do Pará representa 9% de toda a floresta tropical do planeta, e nós já temos 26% de área antropizada (já modificada pela ação do homem). Possuímos uma vocação econômica muito clara, voltada ao agronegócio e à exploração mineral", informou Helder Barbalho.

Ao falar aos acadêmicos e investidores do Terceiro Setor que participam do encontro, o governador paraense pontuou a necessidade de unir a preservação da floresta ao desenvolvimento social sustentável. "Nós queremos convidar todos aqueles que desejam a preservação da floresta que possam fazê-lo entendendo que, na Amazônia brasileira, temos 23 milhões de brasileiros que necessitam alimentar-se, ter desenvolvimento social, pessoal, oportunidade de renda e ambições", enfatizou.

Nesta sexta-feira, o governador apresentará aos membros da conferência internacional as demandas do Pará para possíveis parcerias, que podem ser concretizadas a partir do evento.

Estratégia - Para o professor Heriberto Pena, doutor em Ciências Agrárias pela Universidade Federal Rural da Amazônia (Ufra) e professor da Universidade do Estado do Pará (Uepa), a participação de um governador em uma conferência internacional é importante para uma discussão estratégica sobre políticas na Amazônia. “A participação do governo do Estado, na pessoa do governador e dos demais, é estratégica, pois ela traz para o Estado do Pará, e para a Amazônia como um todo, uma oportunidade de pensar diferente. O pensamento de proteção de política pública para a Amazônia. Ele deve considerar condições relevantes, como os vários mecanismos de sobrevivência, como a utilização dos recursos naturais”, frisou o especialista.

Ainda segundo o professor Heriberto Pena, em um evento de grande visibilidade, como o promovido pela Universidade de Princeton, a presença de um representante que possa debater e mostrar a realidade da Amazônia é fundamental para novas perspectivas e olhares para o Pará. “No aspecto internacional, é de fundamental importância essa participação. O Estado tem o desafio grande de mediar os processos de intenção para a Amazônia com a nossa atual ação de política pública”, reiterou.A conferência reúne acadêmicos e investidores do Terceiro Setor

Círculo virtuoso - O Governo do Pará já iniciou importantes projetos na área de Meio Ambiente e Sustentabilidade, com destaque para o Programa Territórios Sustentáveis, que visa diminuir, em médio prazo, o desmatamento nos municípios de São Félix do Xingu (no sudeste), Altamira e Novo Progresso (no oeste), que juntos concentram, atualmente, mais de 70% do índice de desmatamento no Pará.

A iniciativa cria um círculo virtuoso de empreendedorismo. A estruturação do programa estimula a melhoria de cadeias produtivas, por meio de assistência técnica, incentivos econômicos e fiscais e pagamento de serviços ambientais. O governo do Estado também está concluindo a elaboração da Política Pública de MudançaS e Adaptação Climática, com princípios, diretrizes, objetivos e instrumentos, voltados a atenuar os efeitos adversos das mudanças climáticas.

Helder Barbalho é o único governador brasileiro convidado para a conferência internacional