Metropolitano promove culinária sustentável para crianças e adolescentes em tratamento

A iniciativa do Serviço de Nutrição e Dietética do Hospital Metropolitano de Urgência e Emergência, em Ananindeua, contou com a Casa Ronald McDonald

30/07/2021 13h56

A equipe do Serviço de Nutrição e Dietética do Hospital Metropolitano na oficina de produção de sorvetes e biscoitos para crianças O Hospital Metropolitano de Urgência e Emergência (HMUE), em Ananindeua, promoveu uma ação sustentável na tarde desta quinta-feira, 29, em parceria com a Casa Ronald McDonald, instituição de apoio a crianças e adolescentes em tratamento oncológico, na capital paraense. A equipe do Serviço de Nutrição e Dietética (SND) do HMUE ensinou o passo a passo da produção de sorvetes e biscoitos com sobras de frutas que, normalmente, iriam para o lixo, como casca de banana, manga, abacaxi, entre outros.

A ação promoveu, ainda, por meio de atividades lúdicas e educativas, uma nova forma de brincar e aprender sobre alimentação saudável, sustentabilidade e o aproveitamento total dos alimentos. “Na oficina, são usadas técnicas com a utilização de cascas de frutas, folhas, talos e legumes na produção de refeições e sobremesas. Essa é uma forma de proporcionar uma atividade lúdica e criar um pensamento mais sustentável com a utilização integral dos alimentos”, ressalta Edilssa Carla, coordenadora do Serviço de Nutrição e Dietética (SND).

Para que a ação ocorresse com segurança, foram adotadas medidas com base nas orientações da Organização Mundial da Saúde (OMS), que estabelecem o distanciamento social, o uso de álcool em gel e de máscaras como ações preventivas contra a proliferação da Covid-19.

Quem colocou a mão na massa foi Melina Marques, de apenas 4 anos. “No começo eu achei estranho usar casca de banana como ingrediente. Mas eu comi e gostei muito e até pedi mais”, disse a menina, que aprendeu que é possível fazer biscoitos e sorvetes de um jeito diferente. 

Para a mãe de Melina, Waldenice Marques, de 30 anos, a experiência foi nova e proporcionou um momento de alegria e aprendizado. “O sorriso que ela dava quando fazia o sorvete de casca de banana me deixou encantada e feliz, pois sabemos que o tratamento contra o câncer não é fácil”, disse ela, agradecida com a ação.

Além da mãe e filha, a Casa Ronald McDonald acolhe, atualmente, mais oito crianças com câncer e suas famílias advindas do interior do Pará e de Estados vizinhos. Todas participaram e provaram as receitas produzidas durante a ação.

“A Casa Ronald McDonald Belém funciona a partir da solidariedade de parceiros, como a equipe de Nutrição do Hospital do Metropolitano. Avalio de forma positiva a oficina realizada aos hóspedes. Um estímulo importante, principalmente, às mães que podem até mesmo enxergar esse aprendizado como uma futura fonte de renda", agradeceu a gerente do espaço, Raquel Fontenelle.

A atividade é realizada durante todo o ano no Hospital Metropolitano, do Governo do Pará, e complementa as ações de humanização da Pró-Saúde, gestora da unidade desde 2012. A ideia, segundo a nutricionista de produção, Aline Rodrigues, é levar, cada vez mais, este tipo de ação para fora da unidade.

“A oficina tem funcionado no Metropolitano. Agora queremos que a sociedade seja beneficiada com esse trabalho, que pode gerar grandes benefícios para a saúde e até financeiro para uma família”, pontuou a profissional.

*Texto de Diego Monteiro (Ascom / HMUE).

Por Mozart Lira (SESPA)