Fapespa e UFPA traçam estratégias para fortalecer parceria

14/01/2015 11h02

A Universidade Federal do Pará (UFPA) é uma das principais parceiras da Fundação Amazônia de Amparo a Estudos e Pesquisas do Pará (Fapespa) na difusão da Ciência, Tecnologia e Inovação (CT&I) no Estado. A UFPA recebe apoio em cerca de 50% das bolsas de pesquisa ofertadas pela Fundação para doutorado, mestrado e iniciação científica, dentre outros. E para fortalecer a cooperação entre as duas instituições, o diretor-presidente da Fapespa, Eduardo Costa, reuniu com representantes da Universidade na manhã desta terça-feira, 13.

Na ocasião, Costa falou da importância de desenvolver uma agenda de trabalho entre a Fundação e a UFPA para contribuir com o crescimento do Estado. O gestor também apontou a necessidade de redefinir o perfil dos editais lançados pela Fapespa, direcionando-os para as áreas de pesquisas mais estratégicas referentes às políticas públicas do governo.

Umas das áreas prioritárias da nova gestão são as ciências sociais e aplicadas, que ainda carecem de maior investimento em pesquisas. O diretor do Instituto de Ciências Sociais e Aplicadas (ICSA) da UFPA, Carlos Alberto Maciel, participou do encontro e pediu o apoio da Fapespa para o fomento do setor. “É necessário um maior investimento em ciências sociais porque o Estado precisa da qualificação de pessoal técnico para alavancar o seu desenvolvimento. Com essa maior integração, o ICSA vai poder ajudar a Fundação a atender as demandas”, destacou Carlos.

Para o pró-reitor de Pesquisa e Pós-Graduação da UFPA, Emmanuel Tourinho, a abertura de diálogo da Fapespa com a Universidade ajuda a estreitar a parceria com o Estado. "Esta reunião é muito importante para a universidade, pois o estreitamento deste canal entre Fapespa e UFPA demonstra a preocupação do Estado com o desenvolvimento das pesquisas em CT&I no Pará", destacou.

O professor também ressaltou a importância do formato de quotas de bolsas oferecidas pela UFPA para as pesquisas nas Instituições de Ensino Superior e de Pesquisa do Pará. Segundo ele, as bolsas deram a possibilidade de manter o progresso da formação e qualificação de recursos humanos no Estado.

A partir dessa reunião, Eduardo Costa aposta no trabalho conjunto, com uma contribuição efetiva e fortalecimento institucional da Fundação e da CT&I em toda a Amazônia Paraense. “A lógica de construção dessa gestão é a de ser colegiada, ou seja, vamos tomar decisões com outros órgãos de governo e parceiros de primeira ordem, como a UFPA, todas as Instituições de Ensino Superior e de Pesquisa e outros centros de excelência do nosso Estado”, finalizou o presidente.

Por Redação - Agência PA (SECOM)