Projeto Escola da Vida começa inscrições na segunda-feira para 800 vagas

24/01/2015 12h22
Por Redação - Agência PA (SECOM)

O Corpo de Bombeiros Militar do Pará oferece este ano 800 novas vagas para o projeto Escola da Vida, que atende crianças e adolescentes de 10 a 15 anos, com frequência regular à escola. É o maior número de novas vagas já ofertado pelo projeto. As inscrições começarão na próxima segunda-feira (26) e podem ser feitas até 30 de janeiro pelo site www.bombeiros.pa.gov.br. O início das aulas será no dia 2 de março. Com o objetivo de reduzir a evasão escolar e a ociosidade de crianças e adolescentes, além de fortalecer a os vínculos familiares e comunitários, o projeto desenvolve atividades com conteúdo educacional, cultural, desportivo e de cidadania. Durante o curso os participantes têm aulas teóricas e práticas que abrangem, entre outras atividades, curso de prevenção de acidentes, primeiros socorros, educação ambiental e ética.

A corporação oferecerá no total 2 mil vagas. Destas, 1.200 foram destinadas aos alunos que já fazem parte do “Escola da Vida”, como Iury Amador, 11 anos, que entrou no projeto no ano passado e já garantiu sua vaga nas aulas, que considera “muito importantes para a criança”. Tanto que ele já colocou em prática os ensinamentos. “Meu irmão se queimou com um mingau quente e eu consegui fazer os primeiros socorros antes dele ir para o hospital. Me senti muito importante em poder ajudar alguém”, contou.

A comerciante Eloíza Amador, mãe de Iury, disse que o filho melhorou o comportamento em casa e as notas na escola depois que ingressou no projeto. “Ele era muito calado e também gostava muito de rua. Hoje, eu vejo que ele interage mais com as pessoas e, o melhor, quase não sai de casa. Acho que o ‘Escola da Vida’ foi fundamental para a mudança do meu filho, além de incentivar o sonho de ser bombeiro”, disse Eloíza, que espera a abertura de novas vagas para inscrever o outro filho, Eliel, 14 anos.

Ao longo de 14 anos de trabalho como voluntária, a assistente social Silvana Rabelo já testemunhou diversas histórias, e ainda se emociona ao falar do projeto. “É muito bom quando a gente faz o que gosta. Todas as crianças e adolescentes daqui têm acompanhamento social e psicológico. A gente estreita os laços não só com os alunos, mas com toda a família, e posso afirmar que não tem nada mais gratificante em observar a melhoria na vida de cada um deles”, ressaltou Silvana.

Cidadania - O soldado do Exército Álvaro Espineli foi aluno do “Escola da Vida” em 2007 e 2008. Ele contou que o projeto foi fundamental para sua formação pessoal e profissional. “Hoje trabalho na enfermaria do quartel, o que só foi possível por causa do projeto que me treinou nessa área. O que aprendi nas aulas com o Corpo de Bombeiros eu aplico aqui no Exército. Mas continuo estudando para realizar meu sonho de ser bombeiro militar”, disse ele, que é um dos instrutores do projeto. “É uma satisfação, porque antes eu era aluno, e hoje estou no lugar dos instrutores que davam aulas na minha época. O ‘Escola da Vida’ é realmente uma escola para a formação do caráter e da área profissional do aluno. Lá formamos cidadãos”, reiterou Álvaro Espineili, que após dois anos como aluno participou do curso de formação de monitores e aos 14 anos se tornou instrutor de salvamento. Agora, aos 20 anos, ele nem pensa em deixar de trabalhar com as crianças e adolescentes. “Enquanto eu puder, estarei no projeto”, afirmou.

A partir deste ano, os municípios de Paragominas e São Miguel do Guamá, no nordeste paraense, também terão polos do “Escola da Vida”. Com esta ampliação serão atendidos 12 municípios paraenses, em 17 polos. O major Elias Rocha, coordenador do projeto, explicou que a iniciativa se consolidou nos últimos três anos, por meio do programa Pro Paz, que promove a cultura de paz como agente transformador da sociedade. “Antes, o ‘Escola da Vida’ era feito basicamente com o voluntariado. Nos últimos anos, o governo investiu bastante no projeto com estruturação física, abastecimento de material e organização logística. O Pro Paz possibilitou expandir as ações para mais municípios e ampliar as ofertas de vagas”, informou o major Elias Rocha.

<