Ponte do Moju: Retirada de peças de concreto segue rigor das normas ambientais

24/03/2015 18h41

O projeto de engenharia utilizado na retirada das partes afetadas da Ponte Moju Cidade tem na rigidez das normas ambientais uma das maiores referências para que as atividades não comprometam o ambiente no entorno da estrutura. Com a utilização do A-Frame, cerca de 1.200 toneladas de concreto devem ser retiradas da estrutura danificada. Todo material será descartado em balsas que transportarão os escombros até um terreno preparado especialmente para recebê-los e triturá-los, longe das margens do rio.

“Trata-se de um material que não pode mais ser utilizado na estrutura (da ponte), mas que pode, e deve, ser reaproveitado em outras obras de menor porte. Estamos falando de um concreto nobre, de altíssima resistência, que sequer é chamado de entulho, tamanha a utilidade que ainda pode ter”, explicou Guilherme Melo, engenheiro da Secretaria de Transporte do Estado (Sespa). 

A montagem do A-Frame continua a todo vapor sobre a ponte Moju Cidade. Uma vez concluída a instalação, terá início o processo de retirada das línguas e vãos afetados pelo acidente ocorrido há um ano. O uso do equipamento, desenvolvimento exclusivamente para essa operação, é uma opção para se evitar o uso de explosivos na retirada da estrutura danificada. Além do impacto na fauna e flora do entorno, a detonação das partes atingidas implicaria no descarte do material no leito do rio, o que comprometeria diretamente a capacidade de navegação no local. No total, 240 metros de ponte serão retirados pelo A-Frame. Os pilares afetados também serão removidos e devidamente triturados para reaproveitamento.

Enquanto isso, equipes da empresa contratada prosseguem com a montagem do A-Frame. Todas as partes do equipamento, transportado de São Paulo a Belém em três carretas, já foram desembarcadas no Moju. O A-Frame tem quase sete metros de altura (o equivalente a um prédio de dois andares), 14 metros de comprimento, 2,40m de largura e capacidade para sustentar cargas superiores a 200 toneladas.

A estrutura em aço do A-Frame consegue equilibrar os movimentos de tração e compressão feitos durante a remoção dos dois pedaços de concreto pendurados na ponte. A estrutura conta com barras de aço horizontais e verticais articuladas, quatro stand-jacks e macacos hidráulicos controlados por computador. Ao mesmo tempo, a travessia por balsas ganhou reforço em quantidade de embarcações, melhoria na estrutura de embarque e desembarque, além de instalação de banheiros químicos nos dois lados do rio para garantir o comodidade de quem precisa passar pelo local.

Por Redação - Agência PA (SECOM)