Pará cria Forum Permanente para subsidiar ensinos profissionalizante e tecnológico

06/05/2015 19h36
Por Redação - Agência PA (SECOM)

Ainda neste semestre, o setor de educação do Estado do Pará passará a contar com os debates, iniciativas e proposições de um Fórum Permanente de Educação Profissional e Tecnológica. É o “ParáProfissional”, que será composto por representantes de instituições dos governos estadual e federal, entidades associativas e membros do setor privado. A medida tem como objetivo subsidiar a construção e a consolidação da Política Estadual de Educação Profissional e Tecnológica do Estado.

A criação do Forum está entre os principais resultados do seminário “Cenários Nacional e Estadual da Educação Profissional e Tecnológica”, realizado pela Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Educação Técnica e Tecnológica (Sectet), por meio da Diretoria de Educação Técnica e Tecnológica, nesta quarta-feira, 6. O evento ocorreu no auditório do Centro Integrado de Governo (CIG) e reuniu gestores e técnicos de órgãos públicos estaduais e federais, empresários e representantes de entidades associativas para debater a educação profissional no estado do Pará.

Na abertura do evento, o titular da Sectet, Alex Fiúza de Mello, ressaltou que a Secretaria tem a responsabilidade, prevista em lei, de coordenar a elaboração da política estadual de educação técnica e tecnológica e que isso deve ser feito de forma transparente e inteligente, com a agregação do maior número de parceiros. “Precisamos somar recursos e dividir trabalhos para nos fortalecer e captar mais recursos destinados à educação profissional em nosso Estado. Esperamos que o painel apresentado no Seminário nos ajude a dar clareza e facilite esta elaboração coletiva”.

O reitor da Universidade Federal do Estado do Pará (UFPA), Carlos Maneschy, saudou a iniciativa da Sectet e destacou o interesse da Universidade em participar deste processo. “Entendemos que a educação profissionalizante é fundamental para a construção de um estado mais desenvolvido e com melhores oportunidades para os que aqui vivem. A UFPA está à disposição para colaborar no que for preciso.” 

O diretor da Secretaria de Educação Técnica e Tecnológica do Ministério da Educação (MEC), Carlos Artur Arêas, realizou apresentação sobre o Pronatec, relatando ações, desafios e objetivos. “Temos metas desafiadoras a cumprir, como a oferta de 12 milhões de matrículas entre 2015 e 2019 e o fortalecimento das ações de inserção sócio-profissional dos egressos. Por isso, é tão importante as parcerias estabelecidas, tanto com os governos estaduais, quanto com o setor produtivo”, destacou.

O Pará ocupa o 22º  lugar em matrículas efetivadas pelo Pronatec em todo o Brasil, sendo que os municípios de Marabá, Santarém e Belém aparecem em 1º , 2º  e 3º lugares, respectivamente, em número de matrículas efetivadas entre 2011 e 2014. Com relação aos cursos ofertados pelo Programa no Pará, os de “Operador de computador”, “Auxiliar administrativo” e “Montador e técnico em manutenção de computador” são os três mais procurados no Pará. A Diretora de Inclusão Produtiva Urbana, do Ministério do Desenvolvimento e Combate à Fome (MDS), Laurin Webster, entende que é preciso ampliar a oferta de vagas e o número de matriculados no Estado, além de diversificar a oferta de cursos e inserir um maior número de paraenses no mercado de trabalho.

O técnico do MDIC, Luis Gustavo Pontes, explicou a dinâmica do Pronatec Brasil Maior (PBM), que busca reduzir o gargalo de recursos humanos qualificados, em nível técnico, nos setores estratégicos da economia nacional. Na palestra intitulada “A qualificação abre as portas para a inovação”, ele falou de forma especial aos empresários presentes, lembrando que todos os cursos ofertados são gratuitos e que o PBM atua tanto na requalificação de profissionais em atividade, quanto na formação de trabalhadores para ocupação de novas vagas. Luis Gustavo lembrou, também, que para facilitar o atendimento das demandas, os cursos podem acontecer dentro das empresas e que empresários podem, inclusive, solicitar cursos por meio do sistema digital.

A programação do evento prosseguiu com debates e apresentações de paineis de representantes da Secretaria de Educação (Seduc), do Sistema S (Senat, Senac, Senai, Senar) e de empresas, como Oyamota, Votorantim Metais e Hydro Alunorte, donas de casos de sucesso na educação profissionalizante no Pará.