Arcon autoriza novos trechos de transporte fluvial de passageiros

26/01/2018 00h00
Por Redação - Agência PA (SECOM)

A Agência de Regulação e Controle de Serviços Públicos (Arcon) fez a entrega dos Certificados de Registro e das Autorizações para mais quatro empresas realizarem o transporte de passageiros no modal hidroviário no Pará. As empresas vão operar três novos trechos.

A certificação aconteceu na sede da Agência em Belém, e foi feita pelo diretor geral da Arcon, Bruno Guedes, e pela gerente do Grupo Técnico Hidroviário (GTH), Martinha Rocha. A partir de agora, as empresas de navegação estarão aptas e devidamente autorizadas a realizar o transporte de passageiros, atendendo todos os requisitos, assim como os direitos e obrigações estipulados na legislação vigente. 

A linha fluvial entre Cametá e Tucuruí será realizada pelas operadoras Y. C Barreiros Serviços de Transporte-ME e pela A.V. Vieira Eireli–ME. Serão disponibilizadas viagens diárias aos passageiros em dois horários – 5h e 11h da manhã.

O segundo trecho autorizado é a linha Belém/Santa Cruz do Arari, município localizado no arquipélago do Marajó. A empresa E.F. Aires Navegação Eirelli-ME será a responsável por realizar a viagem, e vai operar com a lancha Jeane II, que tem capacidade para 81 passageiros. O embarque e o desembarque serão feitos no Terminal Hidroviário de Belém e no Porto do Município de Santa Cruz do Arari. As viagens acontecem em três dias da semana: terça-feira, quinta-feira e sábado, sempre às 6h da manhã.

O outro trecho fica na região oeste do Estado. É a linha fluvial Óbidos/Santarém, sob a responsabilidade da empresa E.V do Amaral-ME. Os passageiros viajarão em um ferry boat chamado “Princesa de Óbidos”, que tem capacidade para 426 pessoas. O itinerário sai de Óbidos sempre às terças, quintas e aos domingos, às 22h; e saídas de Santarém às segundas, quartas e sextas, às 20h.

Segundo o diretor geral, agora os usuários desses municípios contam com um serviço fluvial regularizado, mais seguro e com uma tarifa justa. Com a permanente fiscalização da Arcon, cada vez mais empresas do ramo da navegação entendem a necessidade de sair da clandestinidade. Desta forma, buscam a Agência no intuito de obter a legalização, mediante a outorga da autorização.

Outro fato que merece ser destacado, diz respeito aos equipamentos a serem utilizados pelas empresas recém autorizadas. As lanchas executivas, no decorrer dos anos, tem se mostrado um equipamento que agrada aos usuários e torna mais rápida a viagem. Assim como o ferry boat, já que é uma embarcação que agrega passageiros, mas também permite o deslocamento de veículos.