Sedop apresenta o andamento das obras de reconstrução do Mangueirão

Com quase 70% dos serviços executados, os trabalhos estão dentro do cronograma com previsão de reabertura no 2º semestre

19/05/2022 15h43 - Atualizada em 19/05/2022 16h34

Nesta quinta-feira (19), a Secretaria de Desenvolvimento Urbano e Obras Públicas (Sedop) realizou uma coletiva para apresentar as patologias, mazelas, o andamento e o cronograma das obras de reconstrução e ampliação no estádio olímpico do Pará, o Mangueirão. O trabalho chegou à marca de quase 70% dos serviços previstos já executados com previsão de reabertura para setembro de 2022. 

O secretário de obras, Ruy Cabral, iniciou a coletiva explicando as causas que levaram o Governo do Estado, em caráter de urgência, a interditar o maior palco do futebol paraense. “As agressões que nós identificamos na estrutura, as corrosões e as patologias encontradas foram extremamente nocivas à parte estrutural de todo o estádio, o que nos levou a intervir imediatamente, ocasionando, também, a contratação de especialistas para que, de forma mais aprofundada, pudessem corrigir esses problemas de maneira mais adequada e dentro das normas de segurança. Ressalta-se que isso não foi impedimento para que o cronograma fosse mantido”, ressaltou o titular da Sedop. 

As obras foram iniciadas em fevereiro de 2021. Com mais de 40 anos de existência, há mais de 20 anos, o Mangueirão não recebia grandes intervenções em toda a estrutura do complexo. A falta de manutenção preventiva e corretiva ocasionou todos os problemas estruturais identificados pela equipe técnica da Sedop.

Com o andamento das obras, foi identificada a necessidade de realizar um estudo mais aprofundado para que as correções obedecessem todas às exigências de segurança e fossem identificados todos os problemas estruturais em garantia à saúde e à vida longa do estádio, como relata o especialista, Marcelo Martins, mestre em estrutura do estado do Rio de Janeiro.

"Nós realmente fizemos uma avaliação a fundo, com equipamentos e recursos adequados, para que pudéssemos, de maneira mais eficiente, identificar as patologias, de modo que todo o trâmite e todos os ensaios fossem feitos com o objetivo de conseguir achar soluções de engenharia com a boa técnica de modo a restabelecer a capacidade importante e a saúde da estrutura”, disse Marcelo Martins. 

Também participou do evento com a imprensa, o representante do consórcio Obras Mangueirão, Agnaldo Silva. Ele expôs o processo já realizado pela empresa até o momento, com destaque para a parte estrutural que se encontrava completamente precária e com riscos a vida e segurança da população paraense. 

As obras na praça esportiva visam aumentar a capacidade de espectadores para 50 mil, e, ainda, mais rampas de acesso, mais banheiros, elevadores, espaço para bares e restaurantes, proporcionando conforto e comodidade para que toda a família possa prestigiar eventos a nível nacional e internacional. 

“A partir da chegada do estádio, nós aumentamos a capacidade do estacionamento, duplicamos a quantidade de rampas de acesso às arquibancadas além de alargarmos, mudamos todos os assentos para cadeiras com encosto,  ampliamos as cadeiras cativas de seis para doze mil lugares, extraímos todo o gramado antigo, colocamos grama nova, grama padrão internacional, mudamos o sistema de irrigação, potencializamos a iluminação, câmera de monitoramento central de monitoramento, nós teremos toda uma segurança, locais específicos para que sejam observados a de comportamento, a questão de segurança do torcedor, enfim, diversas mudanças para possibilitar o melhor cenário para torcedores, jogadores e toda a equipe de atuação no Mangueirão”, pontuou o secretário de obras, Ruy Cabral. 

O novo Mangueirão irá sediar, além de jogos esportivos, eventos como shows, congressos e atividades para se tornar uma arena multiuso e palco de grandes eventos, uma vez que o projeto em execução está atendendo a todos os padrões exigidos pela Confederação Sul-Americana de Futebol (Conmebol) e da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), para proporcionar à população a oportunidade de prestigiar grandes e importantes eventos de nível nacional e internacional, com segurança, conforto e funcionalidade.

Por Lilian Guedes (SEDOP)