Festival de Ópera traz "Ópera dos Terreiros" aos palcos do Theatro da Paz nesta sexta (28)

Outras récitas ocorrem nos dias 29 e 30 de janeiro, sempre às 20h

26/01/2022 16h18 - Atualizada em 26/01/2022 16h46

A partir desta sexta (28), às 20h, o Governo do Pará, por meio da Secretaria de Estado de Cultura (Secult), dá início à programação do XXI Festival de Ópera do Theatro da Paz com a montagem da "Ópera dos Terreiros*, produzida pelo Núcleo de Ópera da Bahia e assinada por Aldo Brizzi.

Nesta primeira montagem, a cenografia é toda executada por mulheres paraenses oriundas do Curso de Formação em Ópera do Theatro da Paz em 2021. O barco de miriti e a senzala foram feitos por Rose La Roque e Glauce Rocha. A troca de roupas, figurinos e serviços de camareira por Paula Marcos e a iluminação é do mestre Rubens Almeida com assistência técnica de Camila Sousa. Outras parcerias foram a participação de 18 coralistas do Coro Carlos Gomes, regido pela maestrina Maria Antonia Jimenez e a direção de palco feita por Cláudio Bastos.

Para a diretora de Produção do Festival de Ópera, Nandressa Nuñez, “os benefícios da parceria, entre outras coisas, é a troca de saberes. Quando trazemos profissionais de diferentes áreas, temos condições de reciclar e aumentar o nivelamento profissional e, o fato de ter havido a parceria para uso de mão-de-obra local no espetáculo, conseguimos a absorção dos nossos profissionais”, diz Nandressa. E concluindo acrescenta: “quando vejo pessoas que saíram dos nossos cursos de formação fazerem parte de importantes obras, concluo que nossos esforços deram certo e fico orgulhosa pelo profissionalismo e talento que demonstram”.

Além de uma transmissão ao vivo, no próximo sábado (29), pela TV Cultura do Pará, uma equipe da France Television vai gravar a apresentação da obra em Belém, com música e libreto de Aldo Brizzi e letras de Jorge Portugal. “A Ópera dos Terreiros é ao mesmo tempo lírica e ancestral, com toque de tambores de raiz afrobrasileira e com olhar mais contemporâneo”, diz Brizzi. Para o autor da ópera, a perspectiva de apresentar esta obra em Belém é fantástica e “chegar aqui com uma ópera que começa com uma viagem de barco é simbolicamente muito forte”, conclui.

História

Trata-se de uma história que aborda o amor proibido entre os personagens Nzailu e Dara, uma espécie de “Romeu e Julieta”, com pessoas negras que foram escravizadas para construir o Brasil. A relação amorosa é entre um personagem pertencente aos ‘bantos’, primeira população negra que chegou ao país e foi destinada ao trabalho pesado nas lavouras de cana-de-açúcar, café e mineração e os primeiros a resistirem nos quilombos; e outro personagem pertencente aos ‘nagôs’, sobretudo as mulheres, que vieram depois e foram trabalhar na casa grande, em serviços domésticos.

Com oito personagens principais, o Coro Carlos Gomes também faz parceria com a “Ópera dos Terreiros”. A mensagem do espetáculo ao abordar o que ocorre a partir de um romance proibido, quando duas das várias correntes étnicas e culturais que chegaram ao Brasil entram em rivalidade é tematizar a busca da liberdade inerente ao ser humano.  A música é um ponto alto da narrativa, com sons afrodescendentes, numa mistura de canto lírico e alabês.

“Apoiar e incentivar as iniciativas artísticas e apoiar a nossa diversidade cultural com toda a sua originalidade, tradição e criatividade nos dá a garantia e a certeza de que estamos do lado certo da história da música e do fazer a ópera chegar a todas e todos, principalmente estabelecendo parcerias que agregam muito valor ao que já fazemos”, avalia Jena Lúcia Vieira, diretora artística do Festival de Ópera do Theatro da Paz.

Protocolos de prevenção à covid-19

Desde o final do ano passado, o Theatro da Paz opera com a capacidade máxima de lotação, porém, com um rigoroso processo de controle sanitário, em cumprimento ao Decreto Estadual n° 2.044/2021, de 06 de dezembro de 2021. Para acesso aos espetáculos, além do uso obrigatório e permanente de máscara, são cobrados o documento de identificação e o comprovante de vacinação completo contra a covid-19.

Valores dos ingressos:

Plateia, varanda, frisas e camarote de primeira ordem: 50 reais

Camarote de segunda ordem: 40 reais

Galeria: 30 reais

Paraíso: 20 reais

Serviço: 

O espetáculo acontecerá no dia 28 a 30 de janeiro, às 20h  e os ingressos já estão à venda na bilheteria do TP e por meio do site: www.ticketfacil.com.br  

Dúvidas e informações sobre venda de ingressos:

Fone: (91) 4009-8758/ 8759/8756

E-mail: bilheteriatdapaz@gmail.com

Por Iego Rocha (SECULT)