Em 2021, Hospital Regional de Marabá ampliou atendimentos em mais de 50%

Ao completar 15 anos, a unidade, que é referência regional, também atualizou seu parque tecnológico com um dos mais modernos aparelhos de ressonância magnética do país 

21/01/2022 10h37 - Atualizada em 21/01/2022 11h35

HRSP ampliou para a metade o número de atendimentos em 2021O Hospital Regional do Sudeste do Pará Dr. Geraldo Veloso (HRSP), em Marabá, registrou um aumento de 54,34% de produção em 2021, quando foram realizados mais de 566.441 mil atendimentos. No ano anterior, foram 367 mil. 

Em meio à pandemia da Covid-19, o HRSP realizou 2.782 internações, 1.539 cirurgias, 23.967 atendimentos ambulatoriais em diversas especialidades, 6.178 de urgência e emergência, 288.837 exames, 51 partos de alto risco e 243.087 atendimentos multiprofissionais. 

O índice de aprovação junto aos pacientes e familiares, no ano passado, foi um dos melhores da história da unidade, com uma média de 98,45% de satisfação, ressaltando a excelência dos trabalhos prestados pela instituição na região. 

Segundo Valdemir Girato, diretor hospitalar, 2021 foi um ano de grandes desafios vencidos graças ao empenho e dedicação de toda equipe, que manteve um atendimento com qualidade, segurança e humanização a todos os enfermos encaminhados para o Hospital Regional do Sudeste do Pará. 

"Quero agradecer a todos os profissionais do HRSP que vêm contribuindo para salvar tantas vidas. Foi um ano com muitos obstáculos provocados pela pandemia, mas felizmente saímos fortalecidos e, graças aos protocolos rígidos adotados na unidade, não perdemos nenhum profissional para essa doença", destaca Valdemir. 

O diretor lembra, ainda, que no ano passado, a unidade completou 15 anos de existência, e atingiu a impressionante marca de cinco milhões de atendimentos, o que ressalta a importância da instituição para a região onde atua como referência para mais de um milhão de pessoas de 22 municípios. O HRSP, que pertence ao Governo do Pará, sendo gerenciado pela entidade filantrópica Pró-Saúde, presta atendimento 100% gratuito pelo SUS (Sistema Único de Saúde). 

 

Modernização 

No ano passado, o Hospital Regional do Sudeste do Pará recebeu um dos mais modernos aparelhos de ressonância magnética do país, que integra o seu Centro de Diagnóstico por Imagem. O aparelho, com tecnologia de última geração, foi adquirido por R$ 5 milhões pelo Governo do Pará, por meio da Secretaria de Estado de Saúde Pública do Pará (Sespa). 

HRSP adquiriu em 2021 um dos mais modernos aparelhos de ressonância do país.De acordo com Benjamin Ferreira, diretor administrativo e financeiro da unidade, além da compra do equipamento, a sala de ressonância foi reformada e ampliada, trazendo mais conforto e segurança aos pacientes. 

"Com uma sala moderna e humanizada, o novo equipamento proporciona mais rapidez, qualidade e precisão aos nossos atendimentos. A expectativa é alcançar a marca de 750 exames de ressonância magnética por mês", informa Benjamin. 

 

Pandemia 

Com a queda nos casos graves relacionados à Covid-19 no ano passado, o HRSP desativou no mês de setembro os leitos exclusivos para o tratamento da doença. A instituição atendeu até 2021, 981 pacientes vitimados pela doença, com 588 recuperados. 

Segundo o médico Cassiano Barbosa, diretor técnico da unidade, o Regional do Sudeste foi referência, durante um ano e meio, no combate aos casos mais graves do novo coronavírus na região, e chegou a contar com 54 leitos exclusivos, entre UTI e enfermaria, para tratamento da doença. 

"Nossas equipes clínica e assistencial salvaram muitas vidas. A taxa de mortalidade na UTI Covid foi de 39%, bem abaixo da média nacional dos hospitais públicos brasileiros, que é de 53,1%. Foi um período de muita superação e quero parabenizar toda nossa equipe pelos esforços prestados", ressalta o diretor. 

Já o diretor assistencial da unidade, Rosialdo Lobato, destaca que, em 2021, o HRSP realizou o acompanhamento de mais de 350 pacientes com algum tipo de sequela da Covid-19, no seu Ambulatório Pós-Covid. 

"O atendimento foi realizado por uma equipe multiprofissional, formada por médicos, enfermeiros, nutricionistas, técnicos de enfermagem, entre outros profissionais, selecionados especialmente para atender os casos de pessoas que apresentaram algum sintoma persistentes após a recuperação", finaliza Rosialdo. 

Texto: Ederson Oliveira/Ascom HRSP

Por Luana Laboissiere (SECOM)