Hospital da Santa Casa valoriza trabalho do farmacêutico no atendimento aos pacientes

A instituição mantém 31 profissionais atuando em 11 farmácias, sendo nove hospitalares, uma ambulatorial e uma de medicamentos especiais

20/01/2022 18h20 - Atualizada em 21/01/2022 01h46

Os farmacêuticos são profissionais indispensáveis na estrutura de atendimento em saúdeDentro da enorme estrutura de um hospital, que realiza a cada ano milhares de atendimentos, entre internações, consultas e procedimentos ambulatoriais, há uma categoria profissional que nem sempre é vista ao lado do paciente, mas cujo trabalho está presente desde sua entrada até a alta médica, na avaliação e liberação de medicamentos especiais.

É assim na Fundação Santa Casa de Misericórdia do Pará (FSCMP), onde o farmacêutico está presente desde os anos 1980, lembra o farmacêutico Jorge Takata, que ingressou na Santa Casa em 2002, e hoje é o farmacêutico mais antigo da instituição.

“Quando eu ingressei aqui eram apenas quatro farmacêuticos, e a Farmácia era só uma questão logística, que funcionava de 7 h as 19 h, e passava a noite toda fechada. Isso afetava os outros serviços, pois não eram feitas internações durante a madrugada. Apenas alguns postos contavam com um estoque mínimo de medicamentos, como na triagem. Mas o hospital não estava preparado para muitas situações de emergência”, relata o profissional.Jorge Takata, o farmacêutico mais antigo da instituição

Daquela época até hoje muita coisa mudou, tanto na Santa Casa como na atuação do farmacêutico. Por meio de concursos públicos, mais farmacêuticos foram efetivados na instituição, e hoje são 31 profissionais que atuam em 11 farmácias, sendo nove hospitalares, uma farmácia ambulatorial e uma de medicamentos especiais (Apac). Os profissionais também atuam na central de kits cirúrgicos, no Serviço de Farmácia Clínica e no Serviço de Farmacovigilância.

Proximidade - A farmacêutica clínica Haila Vieira, que atua na Gerência de Farmácia da Fundação, afirma que hoje o profissional está mais próximo do paciente, atuando no cuidado oferecido pelo uso de medicamentos. “Nossa atuação garante a qualidade do atendimento e o aumento da segurança no uso dos medicamentos utilizados no hospital. O farmacêutico também atua clinicamente no cuidado oferecido ao paciente. Fazemos a avaliação técnica de todas as prescrições dos pacientes internados na Santa Casa, onde nós avaliamos parâmetros, como dose, posologia, aprazamento e diluição”, informa.

Haila Vieira, servidora da Gerência de Farmácia“Todos os pacientes de UTI (Unidade de Terapia Intensiva) são acompanhados pela equipe de farmacêuticos clínicos da Santa Casa, que atua mais diretamente no cuidado do paciente, acompanhado e avaliando a terapia medicamentosa estabelecida, inclusive avaliando as interações, incompatibilidades e eficácia”, detalha Haila Vieira.

Em 2021, só nas farmácias hospitalares da Santa Casa foram atendidas mais de 224 mil prescrições. A média de atendimento mensal nas farmácias ambulatorial e de Apac foi de 2.500. Na Santa Casa, o farmacêutico também está presente na Agência Transfusional, Laboratório, Ensino e Diretoria Assistencial.

Em todos os campos, o trabalho do farmacêutico é essencial para a qualidade dos serviços prestados pela Santa Casa, ressalta a diretora de Apoio Técnico-Operacional da Santa Casa, Maria de Belém. “A atuação do profissional farmacêutico é de extrema importância para as boas práticas de qualidade e segurança dos processos assistenciais na cadeia medicamentosa, e em toda a interação com a equipe multidisciplinar para melhor condução dos pacientes. Nossos farmacêuticos possuem conhecimento técnico, habilidade nas suas atribuições clínicas e atitude nas tomadas de decisão”, afirma a diretora, acrescentando que “são profissionais que formam um verdadeiro time de excelência em suas atividades práticas, alinhados à missão da FSCMP, de cuidar da saúde das pessoas gerando conhecimento!”.

Texto: Etiene Andrade - Ascom/Santa Casa

Por Governo do Pará (SECOM)