Doação de sangue mobiliza servidores da Procuradoria-Geral

27/11/2018 00h00
Por Redação - Agência PA (SECOM)

Membros da Procuradoria-Geral do Estado se reuniram nesta terça-feira (27), para doar sangue. A mobilização faz parte da Semana Nacional do Doador de Sangue, promovida pela Fundação Centro de Hemoterapia e Hematologia do Pará (Hemopa), e tem como objetivo sensibilizar a população para a importância do sangue doado para salvar vidas.

Para cada pessoa que doa, três pacientes podem ser beneficiados. Apesar de sangue ser fundamental para a rede hospitalar, os estoques não conseguem ser repostos com a rapidez necessária para atender a demanda: em média, o Hemopa deveria receber 300 bolsas diárias de sangue por dia, mas não recebe nem a metade.

Para a assistente social da Fundação Hemopa, Cida Salgado, a doação de sangue é uma via de mão dupla: a população faz a doação, e a Fundação repassa o sangue testado e isento de contaminações para as pessoas que necessitam. “Precisamos pensar no sangue como um medicamento que até hoje não foi inventado nada que possa substituí-lo na integridade. Então, quando precisamos de sangue, só podemos contar com a solidariedade de quem doa”, frisou Cida Salgado, acrescentando que muitas pessoas deixam de doar sangue por medo e falta de informação. O procedimento é rápido e seguro.

Critérios - Para doar, primeiro é necessário atender aos seguintes critérios: ter entre 16 e 69 anos, estar bem de saúde, pesar mais de 50 quilos, não ser usuário de drogas, não estar grávida e não ter tido contato com possíveis portadores de DST (Doença Sexualmente Transmissível)/ Aids. Em seguida, o doador em potencial passa por um exame mais detalhado, que consiste em verificar a pressão arterial, temperatura corporal e hemoglobina.

Por fim, ele é entrevistado por um médico para avaliação clínica e epidemiológica, totalmente sigilosa e confidencial. É importante que, nesse encontro, o doador seja totalmente sincero e honesto ao responder às perguntas.

Lucas de Oliveira, estagiário da PGE, doou sangue pela segunda vez e disse que pretende se tornar um doador regular. “Na primeira vez, doei por causa de uma pessoa que precisava, mas minha motivação maior é saber que sempre tem alguém precisando. Nós não temos dimensão de quantas pessoas podemos ajudar”, declarou.

Para Rosicleide Lima, assistente social da Procuradoria, o grupo que participou fez sua parte, demonstrando solidariedade. “Esperamos que o número de pessoas sensibilizadas pela campanha aumente a cada ano, pois é importante envolver todos os servidores do Estado na missão social de ajudar quem necessita de uma transfusão de sangue”, concluiu.