Ação educativa em Castanhal encerra primeira etapa do 'Educação de Trânsito por Todo o Pará'

Mais de 20 servidores de educação do órgão realizaram paradas educativas nas avenidas Barão do Rio Branco e Pedro Porpino para orientar a população sobre os riscos de acidentes

25/10/2021 17h28 - Atualizada em 25/10/2021 17h54

Após percorrer 10 municípios das regiões de integração Guajará e Guamá, o Departamento de Trânsito do Estado (Dtran) encerra, nesta semana, em Castanhal,  a primeira etapa do Projeto Educação de Trânsito por Todo o Pará 2021. Na manhã desta segunda-feira (25), mais de 20 servidores de educação do órgão realizaram paradas educativas nas avenidas Barão do Rio Branco e Pedro Porpino para orientar a população sobre os riscos de acidentes.

Com grande intensidade no tráfego de veículos e circulação de ciclistas e pedestres, em Castanhal, as infrações mais recorrentes são o não uso do capacete, excesso de velocidade e veículos circulando sem placa. “As infrações mudam de acordo com cada município, mas essas são as mais recorrentes. O não uso do capacete é um fator de risco presente em quase todos, mas quanto mais distante de Belém, mais infrações de veículos são observadas”, avalia o coordenador de equipe do Detran, João Veiga. Segundo ele, no interior do estado, além das irregularidades nos veículos, 90% dos condutores não são habilitados. “Por conseqüência, são pessoas que desconhecem as regras de trânsito, oferecendo mais risco ao trânsito”, alerta.

Todos os condutores abordados pelas equipes são orientados a se regularizar. A coordenadora de educação para o trânsito de Castanhal, Maria dos Remédios, enfatiza a importância da parceria com o Detran. “É uma oportunidade de fazermos uma ação educativa mais ampla antes de aplicar a fiscalização. Em geral, as infrações estão presentes, por isso ainda é necessário reforçar a educação nas vias”, considera Maria.

O entregador Raimundo Cunha usa a motocicleta como principal instrumento de trabalho e faz questão de manter o veículo regularizado. “Como usuário do trânsito sei dos riscos e também tenho medo de sofrer acidentes, por isso acho importante respeitar as leis e ter cuidado com quem trafega ao meu lado”, comentou.

Durante as abordagens, as equipes do Detran falam sobre os principais fatores de risco e entregam material educativo com dicas de segurança no trânsito. A contadora Ivana Silveira fez questão de ouvir tudo atentamente. “É importantíssimo esse trabalho, haja vista a quantidade de acidentes que vimos todos os dias, principalmente as ultrapassagens irregulares”, afirma.   

O não cumprimento das regras de trânsito costuma se acentuar em municípios onde o trânsito ainda não é municipalizado. É a realidade, por exemplo, da maioria dos municípios da região Caeté, próxima parada do projeto Educação de Trânsito por Todo o Pará. “Nas próximas cidades, onde as infrações costumam se intensificar, vamos ter que intensificar o trabalho e aproveitar o máximo a nossa permanência em cada uma delas para orientar os condutores”, esclarece João Veiga.

Por Leidemar Oliveira (DETRAN)