Estado atende mais seis aldeias da região Oeste com serviços de saúde

Nesses Territórios, localizados na Volta Grande do Xingu, mulheres indígenas se destacam como líderes de suas aldeias

20/10/2021 20h11 - Atualizada em 20/10/2021 23h25

Crianças da aldeia Jaguá com os kits de saúde bucal entregues pelos profissionais da Expedição nos Territórios IndígenasCarmina Juruna, liderança da aldeia Furo Seco, é uma das poucas mulheres que conduzem uma comunidade no território indígena Volta Grande, no município de Vitória do Xingu. "É muito difícil uma mulher enfrentar a liderança de uma aldeia. Nessa posição, eu consigo dar apoio para outras mulheres, mostrando que nós temos o poder de dirigir qualquer comunidade", disse Carmina.

Indígenas da etnia Juruna das aldeias Furo Seco, Lakariká, Jaguá, Paquiçamba, Miratu e Pupekuri receberam a Expedição “Saúde por todo Pará em Territórios Indígenas” nesta quarta-feira (20). A ação é coordenada pela Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sespa), em parceria com a Universidade Federal do Pará (UFPA) e o Centro Integrado de Inclusão e Reabilitação (CIIR).

Nesta quarta-feira (20), foram realizadas mais de 100 triagens de enfermagem e atendimentos médicos; 250 testes para diagnóstico de Infecções Sexualmente Transmissíveis (ISTs); 90 testes IGG e IGM; 14 avaliações de fisioterapia, 22 de fonoaudiologia e 20 de nutrição; 15 atendimentos em terapia ocupacional e 21 em serviço social, além de testes de antígeno.Serviço de saúde da Expedição do governo do Estado na aldeia Furo Seco, em Vitória do Xingu

"Os indígenas no Brasil são esquecidos, e essa ação representa um passo muito importante do Governo ao olhar por nós", afirmou Carmina Juruna.

Representatividade - Mais da metade da equipe multiprofissional da Expedição é composta por mulheres. Nutricionista do CIIR, Daniele Nascimento frisou a importância da representatividade. "A geração presente e as próximas gerações devem se espelhar no exemplo da liderança, para terem mais autonomia e se fortalecerem. Fazer parte de uma equipe predominantemente feminina é Atendimento de profissional do CIIR na aldeia Furo Seco, da etnia Juruna

Maria Vieira Juruna, uma das lideranças da aldeia Lakariká, disse que sua luta pela comunidade deve servir de exemplo, especialmente para os seus filhos. "Quando eles crescerem, vão lutar também. Ficamos todos felizes com a chegada da equipe. Nos traz esperança de melhorar a nossa saúde", declarou.

Mobilidade - Na tarde desta quarta-feira (20), o indígena Wellington Chipaia, 41 anos, da aldeia Miratu, recebeu uma das cadeiras de rodas entregues pelo Governo do Pará ao Distrito Sanitário Especial Indígena (DSEI).Wellington Chipaia ganhou autonomia para se deslocar pela aldeia Miratu com a cadeira de rodas

"Estou muito alegre por ganhar esse presente. Para me deslocar dentro da própria aldeia sentia dificuldades. Quando eu ia pra Altamira, por exemplo, precisava ir no postinho pegar emprestada uma cadeira. Daqui pra frente, vai me ajudar muito. O sentimento é de alegria", garantiu o indígena.

Por Giovanna Abreu (SECOM)