Alunos da rede estadual recebem kits conectividade do Unicef e Instituto Peabiru

16/09/2021 18h41 - Atualizada em 16/09/2021 19h00

"Estudar, nos possibilita um futuro melhor e com incentivo, tudo fica mais fácil”. Foi com essas palavras que o aluno de 13 anos, José Lucas, que está no 9º ano da Escola Estadual Tenoné, em Belém, ressaltou a importância dos estudos e de ser contemplado com o kit conectividade, ofertado pelo Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) e o Instituto Peabiru, em parceria com a Secretaria de Estado de Educação (Seduc).

A cerimônia de entrega ocorreu nesta quinta-feira (16), no auditório Prof. Dionísio Hage, prédio-sede da Seduc. No total, foram entregues 63 kits de conectividade para alunos da rede pública estadual, em Belém, com faixa etária entre 13 a 18 anos, que tivessem assiduidade e participação nas aulas e que estão em situação de vulnerabilidade social.

O estudante José Lucas afirmou, ainda, que está extremamente grato por receber e achou a iniciativa muito interessante, porque vai garantir que ele e os demais beneficiados, possam continuar seus estudos de maneira mais tranquila.

José Lucas“Agradeço bastante pelos equipamentos que recebi, porque durante a pandemia, tivemos que nos adaptar com essa nova realidade e foi bastante difícil. Eu, por exemplo, as vezes, não tenho conexão para poder estudar, fazer as atividades e com esse incentivo, terei melhores condições para ter acesso aos conteúdos de aprendizagem”, ressaltou o estudante.

A secretária de Estado de Educação, Elieth de Fátima Braga, falou que essa iniciativa é muito importante, porque trabalha a questão da conectividade e beneficia alunos que estão em vulnerabilidade social. “Começamos esse processo agora, com 63 alunos selecionados e, tenho certeza, que vai ser muito importante para eles o recebimento deste kit, que contém livros sobre racismo, um smartphone, caderno, álcool, máscara, entre outros. Acredito que este é um momento de cidadania e nós agradecemos o Unicef e ao Instituto Peabiru, por este belíssimo feito”, enfatizou a titular da Seduc.

De acordo com a consultora de adolescentes do Unicef, Taíssa Cherner, neste momento de pandemia, houve um aumento das desigualdades e na exclusão daqueles adolescentes que não têm condições de ter acesso à internet ou de um aparelho que seja adequado às tecnologias. 

Taíssa Cherner“Esta é uma grande ação que une esforços para que essa inclusão digital aconteça, enquanto direito de cada adolescente dentro do município, dentro do estado do Pará e da Amazônia”, reforçou a consultora de adolescentes do Unicef, Taíssa Cherner, que comentou sobre o aumento das desigualdades e a exclusão dos adolescentes que não têm condições de ter acesso à internet ou de ter um aparelho que seja adequado às tecnologias, durante a pandemia.

O PROJETO

Esta é uma iniciativa que visa possibilitar o acesso à inclusão dos estudantes que não possuem um smartphone ou acesso à internet, na educação digital. Os alunos beneficiados fazem parte das Unidades Seduc nas Escolas (USEs) 01, 07, 09, 10 e 11, que compreendem os distritos de Icoaraci (Paracuri e Tenoné), Outeiro, além dos bairros da Pedreira, Parque Verde, Mangueirão, Cabanagem, Pedreira, Benguí, Tapanã, Telégrafo e Sacramenta, no município de Belém.

Os kits contém um smartphone com cartão pré-pago para uso de internet durante cinco meses; um caderno; um material de apoio; um Manual Antirracista; um guia #QuemTaON?; uma garrafa de álcool e uma sacola-mochila. É importante ressaltar que os estudantes beneficiados serão incentivados a terem acesso aos conteúdos de aprendizagem pelas plataformas digitais, além de cursos formativos, entre outros.

Segundo a responsável pela Coordenadoria de Ações Escolares Complementares (Caec), Giovana Costa, “este projeto estimula a inclusão dos estudantes nesse mundo digital que, cada vez mais, está em constante evolução. E a gente incentiva que eles à utilizarem esse equipamento a favor do ensino e que possam ter melhor acesso, a partir de agora, às aulas virtuais, aos exercícios, graças a esse auxílio conectividade que o Unicef e o Instituto Peabiru, estão proporcionando neste momento”, ressaltou a dirigente.

Texto: Vinícius Leal (Ascom/Seduc).

Por Governo do Pará (SECOM)