Hospital de Clínicas Gaspar Vianna (HC) promove I Jornada Científica de Saúde Mental

Evento reúne profissionais e acadêmicos para discutir o tema "Depressão e Suicídio: Estratégia de Assistência na Prevenção e Tratamento"

15/09/2021 13h04 - Atualizada em 15/09/2021 13h59

Profissionais de Saúde do Hospital de Clínicas Gaspar Vianna (HC) têm jornada científica dentro da programação do Setembro Amarelo O Hospital de Clínicas Gaspar Vianna (HC) realiza, nesta quarta-feira (15), a I Jornada Científica de Saúde Mental. Com o tema ‘Depressão e Suicídio: Estratégia de Assistência na Prevenção e Tratamento’, a instituição reúne profissionais e acadêmicos para discutir sobre os impactos psicológicos provocados pela pandemia, especialmente, as mudanças de comportamento e interações. A agenda marca o Setembro Amarelo, que visa a conscientizar sobre a prevenção ao suicídio.

Alessandra Leal, diretora Assistencial do Hospital, fala que a área da psiquiatria não se surpreendeu com o aumento da demanda. “Nós esperávamos ondas, veio a primeira, a segunda, talvez a terceira. Mas sempre soubemos que viria a quarta onda da saúde mental. Foi um ano e meio extremamente difícil, de muitas perdas, de lockdown, restrição domiciliar, da perda do movimento da sociedade, apenas com serviços essenciais. Se viveu o mínimo. E agora vamos percebendo um aumento de atendimentos na nossa emergência psiquiátrica como nunca anteriormente. Sempre trabalhamos com excedente, tivemos que aumentar nossa equipe médica, assistência social, enfermagem, psicólogos e sabemos que deve aumentar ainda mais. É importante discutir saúde mental porque precisamos entender o papel de todos os entes no cuidado, não apenas a emergência e hospital, como os Caps, as residências”, frisa a diretora.

O Hospital de Clínicas é referência em psiquiatria no Pará e recebe pacientes de todos os municípios em crise aguda, na emergência 24 horas. “Os nossos clientes são pacientes de riscos agudos de agressão, suicídio, homicídio, fugas do lar, pacientes que somem da família e se arriscam nas ruas. Dentre eles o paciente com risco de suicídio, em que tentamos preservar a vida do paciente e ele por um problema social psicológico perdeu a vontade de viver e tenta contra a sua própria vida. Aqui no hospital o tratamos para tentar resgatar a sua autoestima, a sua autoimagem para que ele possa voltar a ter um olhar diferente sobre a sua vida”, pontua Selma Frota, gerente técnica da Clínica Psiquiátrica do HC.

O tratamento adotado na unidade inclui avaliação multiprofissional com auxílio de medicação, atividades em grupo, atendimentos individuais, assistência humanizada e devolvemos o paciente o mais rápido possível à família e à sociedade, com desejo de viver e qualidade de vida. “Então esse evento na jornada é justamente para mostrar o trabalho do Hospital de Clínicas e que, inclusive, começou pela psiquiatria. Isso foi um marco no Estado do Pará, quando em outros a área fica acoplada nas outras clínicas”, acrescenta a gerente.

Entre os debatedores da programação da tarde está o médico Daniel Cordeiro, que integrará a mesa ‘Protocolo de Contenção x Judicializações’, abordando o procedimento previsto em lei.  “Há muito preconceito a respeito da contenção e quando se pensa em psiquiatria com alguém amarrado em um leito, que não consegue sair, como se fosse um castigo, algo ruim. Quando na verdade é um procedimento médico, de saúde, alguém que não está conseguindo gerenciar a própria vida, que está se colocando em situação de risco e prestes a agredir outra pessoa. A contenção é um ato médico, não agressivo, para salvar vidas, impedir que a pessoa machuque a si e a outras. Faz parte de um procedimento de emergência, então colocar essa pessoa em segurança, tratá-la com dignidade para depois para depois tirar a contenção”, explica o médico.

Para Matheus Medeiros, concluinte do curso de Enfermagem, discutir a campanha do Setembro Amarelo vai além do aperfeiçoamento profissional. “Para nós como acadêmicos é muito válido ter a oportunidade de estar presente em um evento que nos possibilita não apenas um crescimento curricular, mas principalmente um conhecimento como profissional e ser humano. É entender a saúde mental e a importância do cuidado hoje em dia. Falar sobre o suicídio, a prevenção, a questão da depressão e ansiedade, tudo o que envolve é válido para nós que vamos sair da universidade e vamos para o campo encontrar essas demandas”, pontua Matheus.

Serviço:

I Jornada Científica de Saúde Mental

Auditório do Hospital Gaspar Vianna, localizado à Tv. Alferes Costa, S/N, Pedreira, Belém.

Data: 15/09/2021 – 8h às 17h30.

Por Dayane Baía (SECOM)