Hospital Galileu realiza projeto de incentivo à higiene correta das mãos 

Implantada em 2019, iniciativa visa a segurança do paciente no ambiente hospitalar e está diretamente ligada à redução de infecções  

02/08/2021 10h12 - Atualizada em 02/08/2021 10h17

Com o objetivo de disseminar as práticas de uma correta higiene das mãos, o Setor de Controle de Infecção Hospitalar (SCIH), do Hospital Público Estadual Galileu (HPEG), localizado em Belém, vem promovendo o projeto “Mãos Limpas”.  

Implantado em 2019 na unidade, que é gerenciada pela instituição filantrópica Pró-Saúde, a iniciativa foi desenvolvida a partir de uma necessidade em criar estratégias inovadoras e que estimulassem os profissionais de saúde na higiene das mãos. Desde então, tem sido uma prática comum entre os setores da unidade. 

Para Carla Queiroz, enfermeira coordenadora do SCIH, a iniciativa deve estar inserida na rotina de todos os setores da unidade. “O projeto foi desenvolvido para que os nossos profissionais de saúde entendam cada vez mais a importância da higienização correta das mãos na prevenção de infecções relacionada a assistência de saúde”, afirma.  

Ainda de acordo com a profissional, “é uma ação contínua e necessária onde, mensalmente, analisamos os dados apresentados para entender o cenário: se a adesão está conforme o esperado e quais as possíveis fragilidades. Assim, trabalhamos ações de melhoria, sempre envolvendo as equipes nestas medidas”.  

O público-alvo da ação são setores assistenciais e profissionais que lidam diretamente com o paciente. Por meio de auditorias internas, o SCIH irá avaliar se a higienização está sendo efetiva. Para conquistar o certificado “Mãos Limpas, aqui o cuidado é seguro”, o setor deve alcançar pelo menos 72 % da taxa de adesão da higiene das mãos.  

Higiene correta das mãos 

Os cuidados devem ser redobrados dentro de um ambiente hospitalar, como explica Carla. “Existem instruções específicas para a lavagem correta das mãos em um hospital” 

“É importante retirar anéis, pulseiras, relógios ou qualquer outro adorno, antes de iniciar a lavagem, pois pode haver o acúmulo de sujeiras nesses objetos. Lembrar, também, de higienizar áreas como pontas dos dedos, embaixo das unhas, entre os dedos e polegar que são, em geral, negligenciados”, explica. 

Além disso, a enfermeira orienta sobre os cinco momentos em que a higienização deve ser feita: antes do contato com o paciente e da realização de procedimentos assépticos, após o risco de exposição a fluidos corpóreos e também após o contato com o paciente e com áreas próximas. 

Texto: Rafaela Palmieri/ascom HPEG

Por Luana Laboissiere (SECOM)