Live debate planejamento e estratégias do projeto Usinas da Paz

29/07/2021 15h11 - Atualizada em 29/07/2021 15h54

A Secretaria de Planejamento e Administração do Pará (Seplad) promoveu, na manhã desta quinta-feira (29), a live Planejamento em Pauta. O objetivo foi debater as ações e estratégias das Usinas da Paz, projeto que integra a política pública estadual Territórios Pela Paz (TerPaz). O encontro virtual contou com a participação de gestores da Seplad, da Secretaria Estratégica de Articulação da Cidadania (Seac) e do secretário de Segurança Cidadã do Recife, Murilo Rodrigues Cavalcanti, que apresentou a atuação dos complexos comunitários municipais do Recife, chamados "Compaz".

Em Recife, o secretário de Segurança Cidadã, Murilo Rodrigues Cavalcanti, apresentou o funcionamento dos Compaz

Semelhante ao projeto das Usinas da Paz, do Governo do Estado, o Compaz também foi concebido com foco na prevenção à violência, inclusão social, fortalecimento comunitário e baseado na experiência colombiana das Bibliotecas Parques, além de outras fontes de espaços de cidadania. Atualmente, estão em funcionamento quatro unidades no Recife.

“Fizemos uma coisa muito importante que vocês estão fazendo aí no Pará, fomos oferecer às comunidades o que há de melhor para elas. Procuramos os melhores arquitetos da cidade para fazer esse grande projeto de transformação social, quebrando essa lógica perversa de fazer um ‘puxadinho’ para as periferias. Agora, o Compaz é um programa "guarda-chuva", onde conseguimos entender a principal demanda daquele cidadão e direcioná-lo para o serviço ideal. A gente está caminhando no rumo certo. Quero parabenizar o governador Helder Barbalho por essa iniciativa”, expressou Murilo.

Coronel Marcos Lopes, diretor das Usinas da Paz, parabenizou o trabalho da Seplad para o avanço do projeto das UsinasContinuando a Live, o diretor das Usinas da Paz, Coronel Marcos Lopes, acompanhado pela coordenadora de projetos prioritários do Governo do Estado, Maria Eugênia Rios, apresentou os espaços e o andamento das obras das UsiPaz da Região Metropolitana de Belém e do sudeste paraense. Coronel Marcos destacou também a importância do trabalho da Seplad para o avanço das obras das Usinas da Paz.

“Nós temos uma retaguarda, da Secretaria de Planejamento e Administração, importantíssima, que está garantindo toda a segurança de orçamento e, como projeto prioritário, as equipes estão acompanhando diariamente, o processo da construção das Usinas. Isso está resultando na excelência desse trabalho, afinal, o projeto das Usinas é de todas as secretarias do Estado”, ponderou.

Transformação Social

A diretora geral do Núcleo de Articulação da Cidadania da Seac participou da live e abordou os conceitos e as instâncias de governabilidade do programa Territórios Pela Paz (TerPaz), que está em execução desde 2019, nos bairros da Cabanagem, Benguí, Terra Firme, Guamá e Jurunas/Condor, em Belém, no Icuí-Guajará, em Ananindeua, e no bairro de Nova União/São Francisco, em Marituba.

“A política pública Territórios Pela Paz articula segurança pública e ações sociais, de uma forma interdisciplinar, pensando em conjunto para transformar esses territórios e buscar qualidade de vida para as pessoas. "Realizamos isso, tendo em mente a cultura de paz, reduzindo a violência e a vulnerabilidade, principalmente da juventude e das mulheres”, ponderou Juliana em sua fala.

Juliana Barroso, diretora do Núcleo de Articulação da Cidadania da Seac, destacou os processos intersetoriais e a aproximação com a comunidade do programa Territórios Pela Paz

O gerenciamento do conjunto de programas e projetos que compõem o TerPaz é articulado e coordenado sob a perspectiva da intersetorialidade e da intercomplementaridade das ações entre as secretarias, fundações e órgãos de governo. Da mesma forma, os eixos transversais que orientam a definição dos projetos, que perpassam desde os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável/ONU, o desenvolvimento territorial, até a cidadania participativa e a mediação de conflitos e a cultura de paz. Os eixos transversais, referenciam a escolha das ações e atividades dos programas, dos seus conteúdos e das suas respectivas metodologias.

 “Hoje, já temos níveis altos de adesão ao programa. Fomos atravessados pela pandemia, passamos por quase sete meses sem atuar com normalidade nos territórios, mas mesmo com todas essas adversidades colhemos bons frutos e, durante esses dois anos de existência do TerPaz, fechamos 365 mil beneficiamentos, levamos e estamos levando diversos serviço do Estado para dentro da comunidade que, outrora, não tinha oportunidade alguma e que agora, em breve, será fortalecida com a entrega das Usinas da Paz”, concluiu.

Por Paulo Garcia (SEAC)