Sedap incentiva a pesca sustentável e com responsabilidade

29/06/2021 10h53 - Atualizada em 29/06/2021 13h06

Com apenas 10 anos de idade, o morador João Lima, do município de São João da Ponta, no nordeste do Pará, descobriu o que queria ser na vida: pescador. Há 40, atuando na atividade, ele diz que não saberia viver de outro ofício. A exemplo dele, outros 390 mil profissionais vivem da pesca artesanal no Pará, de acordo com os dados do Registro Geral de Pesca (RGP), do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), de 2017, que é o ano base do levantamento.

João Ferreira é um dos milhares de profissionais da pesca no Brasil, que estão comemorando nesta terça-feira (29), o Dia do Pescador. Para marcar a data, haverá em São João da Ponta, a realização de uma programação em homenagem a São Pedro, considerado Padroeiro dos Pescadores, cuja data é celebrada, na tradição católica, dia 29 de junho.

A Sedap desenvolve uma série de ações para beneficiar a pesca no estado. Além da realização da Feira do Pescado, durante o período da Semana Santa – programação que viabiliza o acesso do consumidor a
preços mais em conta, além de escoar a produção, sobretudo do pescador artesanal - a secretaria também desenvolve ações que estimulam o trabalho de maneira organizada e sustentável.

O diretor de pesca e aquicultura da secretaria, Arlindo Silva, que assumiu o cargo na última semana, ressaltou que a finalidade da secretaria, é ajudar a desenvolver a pesca, sobretudo o trabalho do pescador, da melhor maneira possível. "Pretendemos estreitar mais as relações dos representantes da categoria com a secretaria. Temos atendido diariamente, essas associações, através de seus representantes. A Sedap está sempre de portas abertas para apoiar a atividade”, destacou.

Outra ação que beneficia o pescado, é o repasse de alevinos nas duas estações de reprodução localizadas nos municípios de Terra Alta, no nordeste do Pará e em Santarém. Somente este semestre, mais de 200 mil alevinos já foram entregues aos produtores locais, este ano.

O diretor de pesca e aquicultura, enviou mensagem à categoria, para marcar o Dia do Pescador. "Nessa data, em especial, queremos parabenizar os pescadores. Temos o exemplo na Bíblia. A maioria dos
discípulos era de pescadores. Jesus era pescador. A rede foi lançada e eles apanharam milhares de peixes. Independente de religiosidade, parabenizamos a todos os pescadores. Saiba que você
tem uma importância muito grande, não só no estado do Pará, como em todo o Brasil”, ressaltou o diretor.

Sustentável- A Sedap, segundo o diretor de pesca, quer investir cada vez mais na pesca sustentável. Ele lembra que a secretaria desenvolve ações, com a finalidade de orientar a categoria, com relação à práticas de pesca sustentável, incluindo o manejo do caranguejo, no que diz respeito à aquicultura. A secretaria estimula, ressaltou, o uso das basquetas para o armazenamento e transporte do caranguejo-uçá no estado, através de treinamento que ocorrem com as comunidades e com o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) e demais entidades envolvidas no processo.

O pescador João Lima, sabe bem o que é trabalhar e estimular a pesca sustentável. Ele integra a chamada Reserva Extrativista Marinha (Resex), de São João da Ponta, que conta com uma média de 500 pescadores. Ele disse que assim como estimulou o filho, João Júnior, que também é pescador, a trabalhar em consonância com o meio ambiente, orienta os colegas de ofício a trabalhar preservando a natureza. “Afinal, é dela que tiramos nosso sustento. Temos que manter a tradição, mas de maneira saudável, para não destruir aquilo que os nossos pais nos deixaram”, frisou.


O pescador anuncia que trabalha também com o manejo do caranguejo, além das espécies típicas da região como; pescada, gó, tainha e robalo, além de camarão. Dos oito filhos, apenas um seguiu a mesma profissão do pai. Mas, isso não entristece o pescador. Pelo contrário. Disse ficar orgulhoso de saber que todos os filhos seguiram seus caminhos na vida pessoal e profissional, graças ao sustento que pôde proporcionar à família com o ofício de pescar. “Eu via o meu pai pescar e logo me interessei. É gratificante saber que através da pesca, eu consegui, assim como o meu pai, sustentar minha família e fornecer alimento na mesa de muita gente. Eu nunca quis ser outra coisa na vida", garante o pescador.

Texto: Rose Barbosa(Ascom/Sedap)

Por Governo do Pará (SECOM)