Pará lidera na geração de empregos na região Norte, com saldo de quase nove mil postos

Pacote econômico e programas de transferência de renda do governo do Estado têm feito a diferença à alavancagem das atividades econômicas

16/06/2021 16h25 - Atualizada em 16/06/2021 17h44

Estudo do Dieese aponta que nos últimos 12 meses, o Estado apresenta saldo positivo de empregos formais em todo o ParáO Pará segue batendo recordes na geração de empregos formais e teve o melhor resultado da região Norte no primeiro quadrimestre de 2021, com quase nove mil postos criados. Levantamento feito pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese) mostra ainda que, nos últimos 12 meses, o Estado apresenta saldo positivo de empregos formais em todo o Pará. A alta é puxada principalmente pelo setor de serviços.

Houve crescimento em abril deste ano no comparativo entre admitidos e desligados: foram 10.078 admissões contra 7.175 desligamentos, gerando um saldo positivo de 2.903 postos de trabalhos. Em abril de 2020 a situação foi inversa, com perda de 3,7 mil empregos formais.

O titular Secretaria de Estado de Assistência Social, Trabalho, Emprego e Renda (Seaster), Inocêncio Gasparim, confirma que o Pará tem apresentado resultados positivos frente aos principais setores de desenvolvimento. "O setor de serviços é, sem sombra de dúvida, um dos  segmentos que tem movimentado a economia do nosso Estado. Com o lockdown e as paradas obrigatórias que foram necessárias, o número de prestadores de serviço aumentou, entre eles os entregadores de gêneros alimentícios, os ajudantes e técnicos de pequenas reformas, entre outros", analisa. 

Pará registra crescimento em abril de 2021, comparando admitidos e desligados: foram 10.078 admissões contra 7.175 demissõesEle avalia que o novo pacote econômico estadual também contribui com esses processo de retomada, pois o programa de transferência de renda "permite a manutenção das atividades básicas, a geração de renda e a continuidade na contratação de novos trabalhadores", complementa.

"Cada setor desse tem um grande poder na geração de emprego, renda e ocupação do povo paraense. Neste caso, tivemos um cenário positivo no setor serviços, como por exemplo, na área de educação, das escolas, estética, beleza, saúde, transportes, bares, restaurantes. É nesse setor que muitas pessoas tem a possibilidade do primeiro emprego, mas muita gente que voltou ao mercado de trabalho também passou pelo setor serviços. É um segmento que tem uma infinidade de possibilidades na medida em que a economia permite esse crescimento, então podemos sinalizar que o setor de serviços, comércio, construção e indústria, são os quatro grande empregados do Estado do Pará", explica Everson Costa, supervisor técnico do Dieese, no Pará.

Ele acrescentou que "é um resultado importante porque o Pará é o Estado da Região Norte que está gerando mais emprego de carteira assinada em relação aos outros. Mesmo atravessando esse período de pandemia e os altos indíces de desemprego, isso demonstra que o Estado está forte e continua gerando oportunidades", frisou Everson Costa.

Auxiliar de aministração Jonas Macedo, de 25 anos,O auxiliar de administração Jonas Macedo, de 25 anos, é um bom exemplo do cenário positivo paraense. Ele foi admitido em uma empresa do setor de eventos no começo deste ano, em Belém. "Fiquei muito feliz porque consegui esse emprego, posso ajudar em casa e também comprar algumas coisas que eu quero. Estamos trabalhando, mas com todo o cuidado nessa época de pandemia, mas é um emprego que me deixa muito feliz", conta ele.

Por Carol Menezes (SECOM)