Mulheres assumem posto de sargento combatente no Corpo de Bombeiros do Pará

O fato é inédito no Estado, já que é a primeira vez que mulheres assumem esse patamar na corporação paraense

23/04/2021 08h07 - Atualizada em 23/04/2021 14h12

Quatro militares mulheres foram promovidas pelo Corpo de Bombeiros do Pará, na última quarta-feira (21), após atingirem seis anos na graduação de cabo, o que as habilita a ascender ao posto de 3º sargento. O fato é inédito no Estado, já que é a primeira vez que mulheres assumem esse patamar na corporação paraense. Na mesma quarta, houve ainda a ascensão funcional de oficiais e praças. 

As novas sargentos combatentes são Helen Favacho Melo, Leonora Penna Baia, Maria Adriana Freire Ribeiro e Maria de Fátima Dias de Almeida. "Ser promovida a 3⁰ sargento é fazer parte da história do CBMPA, sendo uma das primeiras mulheres sargento combatente só me enche de orgulho e alegria; e isso só me faz ter mais coragem e determinação para cumprir essa nobre missão a mim confiada. Amo demais essa corporação e agradeço a Deus por toda essa conquista", disse Maria de Fátima. 

O marco na história da instituição também foi destacado pela 3º sargento Helen Melo. "Sinto-me muito feliz e orgulhosa por estar nesse novo ciclo, o que requer novas responsabilidades e atribuições. Espero contribuir de forma eficiente à corporação e colher os frutos dessa nova etapa honrando com meus compromissos, com fé na missão e sempre ciente que estamos em constante aprendizado. Agradeço a Deus e aos familiares, sem eles nada disso seria possível, ao CBMPA pela oportunidade e aos companheiros de farda pelo apoio", afirmou. 

Segundo o Corpo de Bombeiros, as militares estão há mais de uma década nas tropas, demostrando diariamente sua força e profissionalismo em ocorrências e cursos e, deste modo, fortalecem a representatividade a todo o efetivo feminino e servem de inspiração às próximas gerações. 

"Esta conquista é de mera importância no estímulo ao esforço e dedicação para o alcance dos objetivos. É importante porque representa uma conquista que veio após muito estudo, que me permitiu concluir o CFC/2014, além da dedicação e amor ao trabalho. O sentimento de gratidão e alegria pela promoção que me dá mais entusiasmo e motivação para enfrentar as novas responsabilidades que se iniciam no CBMPA", avaliou Maria Adriana Freire Ribeiro. 

Para a nova sargento, Leonora Baia, é uma honra fazer parte da história da corporação como as primeiras sargentos combatentes. “A partir de agora, espero desempenhar o meu serviço operacional no combate a incêndio, que eu me identifico, tenho bons exemplos de sargentos a serem seguidos e quero ser espelho para a tropa também”. 

A tenente-coronel Alessandra Pinheiro, sub-diretora de Pessoal do CBMPA, é a oficial mais antiga da instituição. Para ela, o mais importante é ver essa ascensão de mulheres acontecer. “Como uma oficial combatente da primeira turma, é uma satisfação emocionante pra mim. Ver que elas chegaram é gratificante. Participar disso, estar na instituição nesse momento, foi um dos maiores presente que pude receber nos meus 25 anos de serviço”, contou. 

Com as atribuições de sargento, as militares mulheres vão ser suporte para outras praças, para cabos e soldados. “Elas vão ser a frente, elas que vão se posicionar quando as praças tiverem alguma dificuldade. Porque o sargento já tem voz, tem capacidade de se posicionar na unidade dele, daquilo que é necessário pra tropa dele. Então elas sendo sargento também vão ter essa possibilidade, que é muito importante”, finalizou Alessandra.

Por Cabo Barreto (CBM)