Unidades penais em Marituba realizam cursos de reciclagem e pedreiro

A qualificação profissional é uma das estratégias de ressocialização adotadas pela Seap

14/04/2021 21h47 - Atualizada em 15/04/2021 01h35

A Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (Seap) e a iniciativa privada trabalham juntas para oferecer qualificação profissional a custodiados. Duas casas penais do Complexo Penitenciário de Marituba, na Região Metropolitana de Belém, começaram na última segunda-feira (12) cursos de reciclagem e formação para pedreiro. A oferta, por meio da Seap e do Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar), visa capacitar internos dos presídios Estaduais Metropolitano I e II para o mercado de trabalho, contribuindo para a reinserção social. Cada um dos cursos tem carga horária cada de 40 horas, e de serão finalizados na próxima sexta-feira (16).Custodiados aprendendo técnicas de reciclagem de materiais

Magno Cristóvão, custodiado no PEM II, que participa do curso de pedreiro, disse que a oportunidade é “maravilhosa”, com ensinamentos, sobre empreitada, construção e manutenção. “Eu posso abrir uma microempresa e colocar mais pessoas pra trabalhar comigo, abrindo também oportunidades para outras pessoas. E eu quero, desde já, agradecer ao setor da educação, à direção, e a todos que me ofereceram a oportunidade desse curso”, declarou.

O curso de reciclagem de materiais, realizado no PEM I, é voltado para a educação socioambiental dos apenados, para que vejam a possibilidade de transformação do que era lixo em produtos novos, com várias utilidades.

Para o custodiado Adriano Rangel, é muito importante participar do projeto, por proporcionar aprendizados sobre materiais que podem ter benefícios após o uso. “Nós podemos, quando sairmos daqui, utilizar isso (o aprendizado) como fonte de renda para a nossa vida e nossa família. Para nós termos como nos manter lá fora e não fazer mais coisas erradas, como fazíamos antigamente”, ressaltou Adriano Rangel.

Por Vanessa Van Rooijen (SEAP)