Agência da ONU doa equipamentos para Espaço do Refugiado e Migrante na sede da Sejudh

Com a parceria do Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados, Sejudh reforça política de acolhimento a estrangeiros em situação de vulnerabilidade social

13/04/2021 12h49 - Atualizada em 13/04/2021 13h51

Secretário da Sejudh, Zé Francisco (à direita), em reunião com equipe do Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados (Acnur)A fim de agilizar os trâmites para a implantação do Espaço do Refugiado e do Migrante dentro das dependências da Secretaria de Justiça e Direitos Humanos (Sejudh), o Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados (Acnur) doou para a Sejudh, na manhã desta terça-feira (13), os equipamentos que vão compor o espaço, previsto para ser inaugurado neste mês de maio.

O local, que será disponibilizado e administrado pela Sejudh, terá duas salas: um laboratório de informática e uma sala de aula comum para que os refugiados e migrantes recebam capacitações, informações e tenham à disposição uma área que possibilite o gerenciamento de seus processos de regularizações documentais no Brasil.

Foram doados notebooks, desktops, impressora, projetores, materiais de escritórios e escolares que farão parte do apoio aos migrantes e refugiados. Para que o serviço funcione, efetivamente, uma equipe passará por uma capacitação promovida pela ONU. 

A estimativa, segundo a representante do Alto Comissariado da ONU para Migrantes e Refugiados, Janaína Galvão, é que mais de 900 refugiados e imigrantes estejam, atualmente, no Pará. “Número que pode mudar com frequência em função da própria característica dos deslocamentos migratórios. Eles são provenientes de países como Cuba, Haiti, Peru, República Dominicana, Senegal e da própria Venezuela”, afirmou. 

“O fomento de políticas públicas aos migrantes é de extrema importância para esta Secretaria, pois demonstra que estamos atentos à defesa dos direitos humanos das pessoas que precisam sair de seus países de origem”, frisou o secretário de Justiça e Direitos Humanos do Pará, Zé Francisco.

No Espaço do Migrante e do Refugiado, na Sejudh, pessoas de outras nacionalidades poderão utilizar os computadores, acessar a internet e desenvolver ações, como participar de atividades online, assistir aulas de cursos a distância, realizar pesquisas, elaborar currículos, encaminhar documentos, além da busca pela inserção no mercado de trabalho.

A diretora de Cidadania e Direitos Humanos, Verena Arruda, destacou que inaugurado, “o espaço vai trazer o fortalecimento de políticas públicas de Estado às pessoas migrantes e refugiadas”. 

Para o secretário adjunto, Valber Milhomem, o local garantirá que a Sejudh reforce os direitos das pessoas que vêm de outros países para o Brasil. “Estamos tratando da reforma do espaço e dos trâmites burocráticos, a fim de garantir um melhor atendimento ao usuário do nosso serviço”. 

Por Gerlando Klinger (SEJUDH)