Famílias da Ilha das Onças ganham apoio da Emater para plantar hortas suspensas na maré

Extensionista com experiência em Santarém e apoio de grupo de canoeiros dá assessoria para garantir segurança alimentar e desenvolvimento sustentável

02/03/2021 14h46 - Atualizada em 02/03/2021 16h03
Por Rodrigo Reis (EMATER)

Ribeirinhos da Ilha das Onças, município de Barcarena, fazem parte de um projeto que promove a segurança alimentar e o desenvolvimento sustentável. O “Tecendo Saberes: hortas suspensas na maré”, desenvolvido pela extensionista rural da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Pará (Emater), Taciana Miranda, foca no fortalecimento da rede de agricultura urbana  e soberania alimentar, por meio da capacitação de mulheres para produção de hortaliças orgânicas e processamento de alimentos, bem como o resgate de culturas agroalimentares da biodiversidade local. 

O projeto implantou uma Unidade Demonstrativa de Horta  Agroecológica na localidade, para produção de hortaliças orgânicas e farmácia viva. A culminância das atividades se dará em uma feira gastronômica, com troca de sementes. 

As ações envolvem diretamente 15 famílias que trabalham com as culturas do açaí e pesca. A primeira ação ocorreu no final de fevereiro. As próximas estão programadas para os dias 6, 7, 8 e 9 de abril. A proposta é que, futuramente, as famílias envolvidas possam colher e comercializar a produção em feiras orgânicas e no Ver-o-Peso, por exemplo. 

“É uma proposta de cunho social, econômico e ambiental. O projeto está sendo bem aceito, já que na primeira ação as famílias participaram do manuseio e processamento de alimentos, fomentando os produtos agroalimentares da biodiversidade amazônica”, pontuou Taciana Miranda, técnica em agropecuária e graduanda em agronomia pela Universidade Federal do Oeste do Pará (Ufopa). Ela também tem experiência em agricultura urbana e soberania alimentar no município de Santarém, na região oeste, onde é lotada atualmente. 

PRIMEIRA HORTA

“Eu trabalho há mais de 10 anos com ações de implantação de hortas, junto a escolas, asilos e a agricultores familiares na região de Santarém. Então, resolvi expandir e foi quando surgiu a possibilidade de implantar um projeto na região das Ilhas”, complementa. 

As próximas ações serão fomentadas pela Lei Aldir Blanc, em parceria com entidades apoiadoras, para fomentar a atividade. O projeto conta também com a parceria do Caruanas Va’a, grupo de canoagem que participou da última ação, com 12 remadores. 

A primeira horta foi implantada na propriedade do morador Celso de Jesus, irmão de Valdirene Silva de Jesus, também participante. Ela conta que foi convidada a participar do projeto e aceitou. “Nós plantamos, nesta primeira ação, cebolinha, alface, cheiro-verde, pimentão e tomate. Vou ter uma horta em casa também e, com o excedente da produção, comercializar e garantir uma renda extra para minha família”, afirmou Valdirene, que mora com o pai, a mãe e dois filhos. 

As próximas fases serão replicar essa estrutura de canteiro em horta para cada quintal das outras 14 famílias envolvidas diretamente no projeto, que prevê, também, a implantação de um espaço para a criação de aves (galinhas e patos), seguido de capacitação.