Com apoio da Emater, produtora agrícola da Ilha Jussara conta sua história na TV

A produção de açaí no modelo agroecológico, que se destaca no sítio de Edna dos Anjos, é fruto da assistência técnica oferecida há mais de uma década

20/02/2021 08h26 - Atualizada em 20/02/2021 11h56
Por Rodrigo Reis (EMATER)

Mais de 50 anos dedicados à produção agrícola e extrativista, principalmente do açaí, o “ouro preto da Amazônia”, a agricultora Edna dos Anjos, conhecida como “Bezinha”, viu na manhã deste sábado (20) sua história ganhar as telas de televisão, ao se tornar atração do quadro “Belezas da Terra”, do programa “É de Casa”, exibido pela Rede Globo/TV Liberal. Há mais de uma década contando com o apoio da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado do Pará (Emater), a moradora da Ilha da Jussara, na área insular de Belém, contou um pouco do seu dia a dia, e como ainda sobe em palmeiras de açaí de até 20 metros para retirar os cachos do fruto.A agricultora Edna dos Anjos e os caroços de açaí. cujo manejo é orientado pela Emater

“Ela é uma mulher do agronegócio. A Edna dos Anjos é a nossa ‘Beleza da Terra’ de hoje”, anunciou o um dos apresentadores do programa, Manoel Soares.

Proprietária do sítio Rainha dos Corações, Edna mora com a neta, Isabela Siqueira, 22 anos, e o bisneto, João Artur, de um ano. A propriedade tem três hectares com plantações de açaí, andiroba, cacau e seringueira. “Trabalho com açaí desde que me entendo por gente. O açaí pra mim é tudo: é o ouro preto da Amazônia”, disse ela, que com a peconha (espécie de cinto trançado feito com folhas resistentes) nos pés, rapidamente escala palmeiras de 15 ou 20 metros.

O território de Belém é formado por 42 ilhas, onde moram em torno de 12 mil pessoas, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A Emater atende regularmente 500 famílias, em oito ilhas.O acompanhamento de técnicos da Emater é fundamental para o manejo sustentável

Apoio técnico - O manejo do açaí é feito com orientação da equipe técnica da Emater. Os sobrinhos de Edna ajudam, mas ela ainda contrata amigos como mão de obra suplementar. Durante a safra, são colhidos até 600 quilos por mês. Na entressafra, o número cai para 250 quilos.

“Parte do fruto é comercializada em feiras de Belém, como o Ver-o-Peso, e outra é batida, direto para o consumidor final em pontos comerciais de bandeira vermelha aqui mesmo na Ilha Jussara”, informou a produtora.Edna trabalha com o açaí há mais de 50 anos em uma das ilhas de Belém

O manejo também é um diferencial na cadeia produtiva. A intervenção consiste na eliminação de algumas espécies para preservação de outras, dentro de um espaçamento calculado e sob a perspectiva de diversidade ambiental e enriquecimento nutricional do solo. 

De acordo com o engenheiro agrônomo da Emater Lucival Solin, responsável pelo atendimento nas ilhas-sul, a consolidação dessas áreas como ambientes produtivos gerou demandas, fazendo com que a Empresa desenvolvesse ações de assistência técnica. “Projetos de crédito agrícola para propiciar o suporte financeiro para o investimento nos açaizais, ações de fomentos de mudas de açaí e cacau para melhorar a produção dessas espécies, e adoção de boas práticas de colheita e beneficiamento da produção, além da facilitação de acesso aos programas agrícolas”, ressaltou.

Ainda de acordo com o engenheiro agrônomo, "o manejo de açaí nativo de várzea tem todo um princípio agroecológico, pelo qual se respeita o convívio entre solo, clima, fauna e flora”.