Sespa prorroga Campanhas de vacinação contra pólio e sarampo em todo o Pará

Crianças de um a quatro anos de idade precisam receber a vacina contra a poliomielite nos postos de saúde até o dia 20 de dezembro de 2020

30/11/2020 16h15 - Atualizada em 30/11/2020 17h14
Por Roberta Vilanova (SESPA)

A Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sespa) informa que as Campanhas de Vacinação contra Poliomielite e Sarampo foram prorrogadas até o dia 20 de dezembro para ampliar as coberturas vacinais que continuam baixas.

Pará precisa alcançar o indicador de 95% de crianças vacinadas contra a pólio, para afastar possibilidade de reintrodução do poliovírusSegundo a coordenadora estadual de Imunizações, Jaíra Ataíde, até o momento, 322.308 crianças foram vacinadas contra a poliomielite no Pará, representando 54,11% da meta que é de 95% de um total de 595.688. “O estado precisa alcançar o indicador epidemiológico de 95% de crianças vacinadas contra a pólio, para afastar qualquer possibilidade de reintrodução do poliovírus selvagem ou mutação do vírus vacinal, ambos ocasionados por baixa cobertura vacinal”, alertou.

Para que essa preocupação seja afastada, é fundamental que as famílias levem suas crianças de um a quatro anos de idade até o posto de vacinação para tomar a vacina até o dia 20 de dezembro. “Sabemos que os municípios têm realidades diferentes, mas dos 144 apenas,12 já atingiram a meta da campanha”, informou. “Até na capital, Belém, a cobertura continua baixa com taxa de 27,74% de crianças vacinadas de uma meta de 79.468”, acrescentou a coordenadora estadual.

A baixa procura pela vacina é atribuída, em parte, à pandemia da Covid-19, já que muitos pais e responsáveis temem levar as crianças aos postos de vacinação. “Por isso, é importante que as Secretarias Municipais de Saúde façam a busca ativa, ou seja, levem a vacina até à população em ações fora das unidades de saúde”, sugeriu Jaíra Ataíde.

Sinais e sintomas - É importante ressaltar que a poliomielite é uma doença contagiosa aguda causada pelo poliovírus, que pode infectar crianças e adultos por meio do contato direto com fezes ou com secreções de pessoas doentes. Nos casos graves, pode causar paralisias musculares, principalmente nos membros inferiores, por isso também é conhecida como paralisia infantil.

De acordo com o Ministério da Saúde, a doença permanece endêmica em três países (Afeganistão, Nigéria e Paquistão), não havendo nenhum caso confirmado nas Américas. 

Como resultado da intensificação da vacinação, no Brasil, não há circulação de poliovírus selvagem (da poliomielite) desde 1990, daí a importância de pais ou responsáveis continuarem vacinando as crianças, pois é a única forma de prevenção.

Sarampo – No que se refere à Campanha de Vacinação contra o Sarampo voltada às pessoas de 20 a 49 anos de idade, a cobertura também permanece baixa, com um total de 877.125 pessoas vacinadas de uma meta de 3.485.894, correspondendo a uma taxa de 25,16%. Por isso a campanha de vacinação também continua no Pará até o dia 20 de dezembro.

“Independentemente da campanha de vacinação, a vacina contra o sarampo está disponível para as crianças a partir dos 12 meses dentro do calendário básico de vacinação da criança”, lembrou Jaíra Ataíde.

O sarampo é uma doença infecciosa aguda, viral, transmissível e extremamente contagiosa. A transmissão ocorre pela tosse, fala, espirro ou respiração de pessoas doentes. Os principais sinais e sintomas são febre, tosse, coriza, conjuntivite e manchas vermelhas na pele. A pessoa deve procurar um serviço de saúde logo que apresentar os primeiros sinais da doença. A suscetibilidade ao vírus do sarampo é geral, e a única forma de prevenção é a vacina. 

Dados - Em 2020, o Pará já tem 5.372 casos confirmados, o que corresponde a 64,4% do total de casos confirmados no Brasil. Os dados também apontam que 69% dos casos confirmados no estado foram registrados em pessoas não vacinadas e 13% informaram que haviam tomado ao menos uma dose da vacina.

No que tange à notificação de casos, o diretor de Epidemiologia da Sespa, Bruno Pinheiro, alerta que os casos suspeitos devem ser notificados até 24 horas à Secretaria Municipal de Saúde. “Além disso, deve ser feita investigação com a busca em até 48 horas de contatos não vacinados em todos os locais percorridos pelos casos suspeitos e o bloqueio vacinal dos contatos não vacinados em até 72 horas após a notificação”, explicou.

SERVIÇO

As vacinas contra a poliomielite e contra o sarampo continuam disponíveis em todas os postos de vacinação dos 144 municípios paraenses.