Semas visita área onde será construído o Centro de Triagem e Reabilitação de Animais Silvestres

A área com mais 6.000 m² fica em Marituba e terá capacidade para receber 10 mil animais por ano

20/11/2020 14h31 - Atualizada em 23/11/2020 16h45
Por Anna Paula Mello (SEMAS)

O grupo formado por representantes da Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Sustentabilidade, do Ideflor-Bio e da empresa Hydro, visitou a área onde será construído o Centro de Triagem e Reabilitação de Animais Silvestres, em Marituba, região metropolitana de Belém. Eles fizeram o reconhecimento do local que vai receber o projeto, que custará R$ 24 milhões. O recurso é 100% proveniente de compensação ambiental da Hydro. Além do Centro, também será construído o Bioparque, área que será aberta a visitação do público.

O Secretário de Meio Ambiente e Sustentabilidade Mauro O'de Almeida participou da visita e destaca que o espaço tem grande potencial turístico, além de uma área maior que o próprio Parque do Utinga, que ultrapassa os 6 mil metros quadrados: “Fizemos uma visita técnica com equipe de engenharia da Hydro para conhecer o local, que terá execução direta da mineradora. Com essa visita, nós pudemos observar o potencial imenso da área, que tem características diversas que colaboram para o turismo ecológico, para a contemplação das belezas naturais e como refúgio para os animais resgatados”, explicou.

Atualmente, todos os animais que chegam ao Batalhão de Polícia Ambiental resgatados, apreendidos ou por demanda espontânea, são encaminhados para instituições parceiras como o Museu Emílio Goeldi, Mangal das Garças ou Universidade Federal Rural da Amazônia. Com a construção do Cetras, o Estado do Pará vai ter o primeiro espaço deste tipo.

A capacidade de atendimento será de 10 mil animais por ano. No caso daqueles que não puderem ser reinseridos na natureza, serão destinados ao Bioparque, que será aberto à visitação e funcionará com um conceito mais amplo e moderno do que os zoológicos convencionais.

O Grupo de Trabalho que acompanha o projeto é formado pela Semas, Ideflor-Bio, Hydro, Batalhão de Policia Ambiental, Instituto Evandro Chagas, OS Pará 2000 e UFPA. A fase conceitual do planejamento já está finalizada e o termo de compromisso entre o Estado do Pará e a empresa Hydro deve ser assinado nos próximos dias. A previsão é de que as obras iniciem em no máximo seis meses. “A Hydro agora fará o projeto executivo da obra, que deve ser iniciada daqui a seis meses e a finalização após um ano e meio. Essa é a nossa expectativa”, conclui o titular da Semas.