Adepará fortalece produção do queijo artesanal do Marajó e alimento tem destaque internacional

Associação de Produtores de Queijo e Leite do Marajó é uma das vencedoras do concurso “Transformando Vidas” do Programa AL-Invest 5.0

17/11/2020 16h17 - Atualizada em 17/11/2020 17h16
Por Aycha Nunes (ADEPARÁ)

A produção da Associação de Produtores de Queijo e Leite do Marajó conquistou importante premiação financiada pela União Europeia O Pará produz anualmente cerca de 65.5 mil quilos de queijo artesanal certificados pela Agência de Defesa Agropecuária do Pará (Adepará). A produção é feita por oito empresas localizadas nas cidades de Cachoeira do Arari, Muaná, Ponta de Pedra, Salvaterra e Soure, todas do arquipélago do Marajó. 

A produção do alimento recentemente ganhou destaque internacional, isso porque a trajetória de produtores de queijo do arquipélago, reunidos na Associação de Produtores de Queijo e Leite do Marajó, foi uma das vencedoras do concurso “Transformando Vidas” do Programa AL-Invest 5.0 que premia histórias de sucesso. O programa é considerado a mais importante cooperação internacional financiada pela União Europeia para o setor empresarial da América Latina.

E para que alcance voos internacionais, a produção paraense é acompanhada pelos serviços de educação, detecção e fiscalização sanitária desenvolvidos pela Adepará. “Para que o produtor tenha autorização para comercializar o queijo e para que o consumidor tenha segurança na hora da compra, é indispensável o registro no órgão de inspeção”, afirma a médica veterinária e fiscal agropecuária, Sumaya Paulino, responsável pela Gerência de Produtos Artesanais de Origem Animal da Adepará.

Para ser comercializado, todo produto de origem animal deve ter registro junto ao poder público, que pode ser da esfera municipal, estadual ou federal. A diferença do local do registro implica diretamente na abrangência da autorização para a venda, que pode ser restrita ao município onde há a produção ou até ampliada para fora dos limites estaduais e nacionais.

“Para que o produtor possa comercializar por todo o Pará, ele precisa fazer cadastro junto à Adepará, no Serviço de Inspeção Estadual (SIE), que é dividido entre produção industrial e produção artesanal. A lei nº 7.565/2011, regulamentada pelo Decreto Estadual nº 1380/2015, permite que pequenas indústrias recebam o selo de produto artesanal, que garante a segurança alimentar e agrega maior valor na comercialização”, detalha Sumaya Paulino.

Inspeção
A Adepará fiscaliza instalações, equipamentos e acompanha a produção do queijo artesanal. O selo de inspeção é emitido para as empresas que obedecem a todos os critérios de sanidade. O órgão de fiscalização faz o monitoramento microbiológico do produto, avaliando a qualidade de todo o processo e do produto final.

“Ao consumirmos alimentos sem registro corremos o risco de contaminação por bactérias, no caso do queijo, a bactéria mais importante e causadora de vários surtos de doenças é a Listeria monocytogenes, causadora de uma infecção chamada Listeriose que possui alto índice de mortalidade, especialmente perigosa para grávidas, bebês e pessoas com sistema imune prejudicado. Por isso é importante sempre comprar produtos que tenham o selo de inspeção” alerta a fiscal agropecuária.

No site da Adepará, há o modelo de requerimento que deve ser preenchido pelo produtor e apresentado no momento da solicitação do registro, que deve ser feita presencialmente, na sede da Agência, em Belém, ou no escritório local da Adepará mais próximo.